FISSURAS CURRICULARES NA PROFISSÃO DOCENTE

narrativas pedagógicas na/com a diversidade

Palavras-chave: Profissão Docente, Fissuras curriculares, Diversidade, Narrativas de Experiências Pedagógicas

Resumo

Este artigo visa discutir fissuras curriculares produzidas por professores/as da Educação Básica na relação com a diversidade. A partir de uma perspectiva epistemopolítica que se inclina à escuta das experiências desperdiçadas dos/as docentes (SANTOS, 2011), buscamos analisar o campo de disputa curricular construído a partir de narrativas de experiências pedagógicas. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de abordagem narrativa, desenvolvida com docentes da Educação Profissional Técnica de dois campi do Instituto Federal da Bahia. O estudo foi desenvolvido a partir de análise colaborativas de cartas pedagógicas escritas, reescritas, lidas, comentadas e editadas pedagogicamente entre os/as docentes envolvidos/as. O resultado aponta para fissuras curriculares que são traduzidas em um campo de disputa de existencialidades que vão reposicionando os/as professores/as na autoria de uma outra política de conhecimento. Entre as fissuras apresentadas, os/as professores/as apontam o conflito cultural e o protagonismo estudantil como mobilizadores de rupturas nas práticas curriculares coloniais. Além disso, destacaram a política de conhecimento instaurada na produção de autorias docentes, que reposicionaram a geopolítica dos saberes produzidos no/com o cotidiano da profissão docente, como uma possibilidade de deslocar o currículo para uma perspectiva insurgente.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jane Adriana Vasconcelos Rios, Universidade do Estado da Bahia, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia e professora Titular Plena da Universidade do Estado da Bahia, no Departamento de Educação - Campus I.

Graziela Ninck Dias Menezes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia, Brasil.

Doutora em Educação e Contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia. Professora do Ensino Básico Técnico e Tecnológico do Instituto Federal da Bahia. 

Referências

CARVALHO, José Jorge. Encontro de saberes e descolonização: para uma refundação étnica, racial e epistêmica das universidades brasileiras. In: BERNADINO-COSTA, Joaze; MALDONATO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL,Ramón. Decolonialidade e pensaento afrodiásporico. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2019, p.79-106.

FLEURI, Reinaldo Matias. Educação Intercultural e movimentos sociais – Trajetórias de pesquisa da Rede Mover. João Pessoa: Editora do CCTA, 2017.

GOMES, Nilma Lino. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. In: Currículo sem Fronteiras, v.12, n.1, Jan/Abr 2012. p. 98-109.

MALDONATO-TORRES, Nelson. Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNADINO-COSTA, Joaze; MALDONATO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL,Ramón. Decolonialidade e pensaento afrodiásporico. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2019, p.27-54.

RIPAMONTI, Paula. Investigar através de narrativas – Notas epistémico-metodológicas. In: DE OTO, Alejandro et al. Metodologías en contexto: intervenciones en perspectiva feminista, poscolonial, latinoamericana. Buenos Aires: CLACSO, 2017. p.83-104.

SANTOS, Boaventura de Sousa, Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes, Novos estud. – CEBRAP n. 79 São Paulo nov. 2007

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente – Contra o desperdício da experiência. v. 1. 8. ed. 2. reimp. São Paulo: Cortez, 2011.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo para uma nova cultura política. V.4. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2010

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma pedagogia do conflito. In: SILVA, Luis Eron da. (Org.). Reestruturação curricular: novos mapas culturais, novas perspectivas educacionais. Porto Alegre: Sulina, 1996. p. 15-33.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SUÁREZ, Daniel Hugo. Escribir, leer y conversar entre docentes en torno de relatos de experiencia, 2016. Disponível em: <https://drive.google.com/file /d/0B56Bh1CBhwLCY19 OUDNxQldiczY2dlpZa 2FXendsbWdmbUEw/view?usp=sharing>. Acesso em: 10 jun. 2018.

SUÁREZ, Daniel Hugo. Documentación narrativa e investigación-formación-acción em educación. In: SOUZA, Elizeu Clementino de. (Org.). (Auto)biografias e documentação narrativa: redes de pesquisa e formação. Salvador: EDUFBA, 2015. p. 63-86.

SUÁREZ, Daniel Hugo; ARGNANI. Agustina. Nuevas formas de organización colectiva y producción de saber pedagógico: la red de formación docente y narrativas pedagógicas. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 20, n. 36, p. 43-56, jul./dez. 2011.

SUÁREZ, Daniel Hugo. Dispersión curricular, descalificación docente y medición de lo obvio. Los efectos pedagógicos de la reforma educativa de los ‘90. Novedades Educativas, n. 155, p. 44-49, 2003.

TUBINO, Fidel. La interculturalidad em cuestión. Lima: Pontificia Universidad Católica del Perú, Fondo Editorial, 2016a.

TUBINO, Fidel. Los sentidos del interculturalismo latinoamericano y la utopía dialógica. Cuyo. Anuário de Filosofía Argentina y Americana, v. 33, p. 69-77, 2016b.

WALSH, Catherine. Notas pedagógicas a partir das brechas decoloniais In: CANDAU, Vera. (Org.). Interculturalizar, descolonizar, democratizar: uma educação “outra”? Rio de Janeiro: 7Letras, 2016. p. 64-75.

WALSH, Catherine. Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. TOMO I. Série Pensamento Decolonial. Ediciones Abya-Yala, Quito-Ecuador, noviembre 2013, p. 23-68.

Publicado
2020-12-11
Como Citar
RIOS, J. A. V.; MENEZES, G. N. D. FISSURAS CURRICULARES NA PROFISSÃO DOCENTE. Revista Espaço do Currículo, v. 13, n. Especial, p. 897-908, 11 dez. 2020.