ENSINO MÉDIO NOTURNO

políticas educacionais e vida cotidiana nas escolas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.54570

Palavras-chave:

Ensino médio noturno, Cotidiano escolar, Currículos praticadospensados, Emancipação social

Resumo

A questão do Ensino Médio no Brasil nunca foi um ponto de acordo entre os diversos atores envolvidos no processo. Isso porque há perspectivas diferentes de compreensão das funções e objetivos desse segmento da educação básica. As reflexões presentes neste texto fazem parte da pesquisa de mestrado finalizada e tem como objetivo produzir conhecimentos sobre o Ensino Médio Noturno (EMN), e contribuir para a discussão acerca de práticas político-pedagógicas e suas relações com as condições de vida e aprendizagem desses estudantes, buscando refletir sobre suas práticas curriculares e uma possível propagação das redes de saberesfazeres voltadas à formação desses estudantes, para assim colaborar para a inclusão social e educacional deles. Uma vez que o EMN não vem sendo contemplado, em suas especificidades, nas discussões da Educação Básica. Buscamos pistas para compreender de que modo, em uma escola estadual noturna, na Zona Norte do município do Rio de Janeiro, são concebidas e concretizadas as práticas curriculares em suas diversas dimensões. E para isso, traremos uma narrativa feita a partir da observação do movimento cotidiano no espaçotempo pesquisado. De forma a desinvisibilizar tais práticas, e destacar seu potencial criativo e produtor de emancipação social.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Amanda Souza, Universidade Estácio de Sá, Brasil.

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estácio de Sá, professora da Secretaria de Estado de Educação e Técnica em Assuntos Educacionais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 

Inês Oliveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Universidade Estácio de Sá, Brasil.

Doutora em Sciences Et Théories de L'éducation - Université de Sciences Humaines de Strasbourg. Professora titular da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e professora adjunta do Programa de pós-graduação em Educação da Universidade Estácio de Sá.

Referências

ALVES, Nilda. Sobre movimentos das pesquisas nos/dos/com os cotidianos. In: ALVES, Nilda: OLIVEIRA, Inês Barbosa de (Org.) Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas - sobre redes de saberes. 3º ed. Petrópolis: DP et Alii, 2008.

BALL, Stephen. Como as escolas fazem as políticas. Ponta Grossa-PR: Editora UEPG, 2016.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº4.024, de 20 de dezembro de 1961. Brasília, DF: 20 de dezembro de 1961.

______. Congresso Nacional. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Brasília, DF: 1971.

______. Congresso Nacional. Lei nº 7044, de 18 de outubro de 1982. Altera dispositivos da Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971, referentes à profissionalização do ensino de 2º grau. Brasília, DF: 18 de outubro de 1982.

______. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

______. Congresso Nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, DF: 20 de dezembro de 1996.

______. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Parecer CEB/CNE nº5/2011. Resolução nº2 de 30 de janeiro de 2012, publicado no D.O.U. de 24/1/2012, Seção 1, Pág.10.

______. Lei n° 13415 de 16 de fevereiro de 2017. Altera a lei nº 9394 de 20 de dezembro de 1996. Em: www2.camara.leg.br/ acesso em: 29/11/17.

CARVALHO, Rosa Malena. Educação Física na educação de jovens e adultos. Revista Lugares de Educação [RLE], Bandeiras. PB, v.3, n.5, p.37-49. Jan.-jun. 2013. Disponível em: http://periódicos.ufpb.br/ojs2/index/php/rle acesso em: 24/11/2019.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano I: as artes do fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

CORSO, Ângela M. e SOARES, Solange Toldo. O ensino médio no Brasil: dos desafios históricos às novas diretrizes curriculares nacionais. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de 2014. Disponível em: http://xanpedsul.faed.udesc.br/arq_pdf/2085-0.pdf

EZPELETA, Justa. e ROCKWELL, Elsie. Pesquisa Participante. 2ºed. São Paulo: Cortez Editora, 1989. 93p.

FERRAÇO, Carlos Eduardo. Ensaio de uma metodologia efêmera. In OLIVEIRA, Inês Barbosa; ALVES, Nilda. (orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas – sobre redes de saberes. Petrópolis: DP&A, 2008. p.101-118

FERRAÇO, Carlos Eduardo. Os sujeitos da escola e a complexidade de seus saberesfazeres: fragmentos das redes tecidas em pesquisas com o cotidiano. In: GARCIA, Regina Leite; ZACCUR, Edwirges. (orgs.). Cotidiano e diferentes saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. P. 151-180

GINSZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. Tradução de Frederico Carotti. São Paulo: Cia. das Letras 1989.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

OLIVEIRA, Dalila. A recente expansão da educação básica no Brasil e suas consequências para o ensino médio noturno. In FRIGOTTO, Gaudêncio e CIAVATTA, Maria. (orgs.). Ensino Médio: ciência cultura e trabalho. Brasília, MEC/SEMTEC, 2004, p. 157-180.

OLIVEIRA, Inês Barbosa; ALVES, Nilda(org.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas – sobre redes de saberes. Petrópolis: DP&A, 2008.

OLIVEIRA, Inês Barbosa. Estudos do cotidiano, pesquisa em educação e vida cotidiana: o desafio da coerência. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v.9, n. esp., p.162-184, out. 2008 – ISSN: 1676-2592. Disponível em: https://docs.google.com/viewerng/viewer?url=https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/viewFile/1050/1065. Acesso em: 25/03/2018.

______, Inês Barbosa. Reflexões acerca da organização curricular e das práticas pedagógicas na EJA. Educar, Curitiba, n. 29, p. 83-100, 2007. Editora UFPR. Disponível em: http://www.scielo.br/readcube/epdf.php?doi=10.1590/S0104-40602007000100007&pid=S010440602007000100007&pdf_path=er/n29/07.pdf&lang=pt Acesso em: 28/08/2017.

______; SGARBI, Paulo. Estudos do cotidiano e educação. Belo Horizonte. Autêntica editora, 2008.

______, Inês Barbosa. O currículo como criação cotidiana. Petrópolis, RJ: DP et Alii; Rio de Janeiro: Faperj, 2016. 136 p.

ROMANELLI, Otaíza Oliveira. História da Educação no Brasil (1930/1973). Petrópolis: Vozes, 1986. 8 ed.

TOGNI, Ana Cecília. e CARVALHO, Marie Jane Soares. A escola noturna de ensino médio no Brasil. Revista Iberoamericana de educación, nº 44, 2007, p.61-76. Disponível em: www.rieoli.org/rie44a04.htm. acesso em: 07/09/2017.

ZIBAS, Dagmar M. L. Refundar o ensino médio? alguns antecedentes e atuais desdobramentos das políticas dos anos de 1990. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 26, n. 92, p. 1067-1086, Especial - Out. 2005.

Downloads

Publicado

2020-11-09

Como Citar

SOUZA, A.; OLIVEIRA, I. ENSINO MÉDIO NOTURNO: políticas educacionais e vida cotidiana nas escolas. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 3, p. 478–486, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.54570. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/54570. Acesso em: 3 dez. 2021.