CURRÍCULO COMO JAZZ

pressupostos, perspectivas e fronteiras de/para uma jam session inclusiva e interdisciplinar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.56873

Palavras-chave:

Currículo como Jazz, Educação Musical, Inclusão, Interdisciplinaridade

Resumo

O presente texto tem como objetivo apresentar dialogicamente o constructo Currículo como Jazz, seus pressupostos e implicações metodológicas no ensino de música em uma escola básica. Recorte de nossa investigação de doutoramento em Ciências da Educação – Especialidade Desenvolvimento Curricular, o texto, que se aporta em uma revisão bibliográfica, em interlocução com os processos investigativos,  pretende inicialmente aproximar as concepções teórico-metodológicas dos conceitos de Música, Educação Musical, Inclusão e Interdisciplinaridade, propondo movimentos de conversação e improvisação, permitindo, dessa forma, a volta ao tema Currículo como Jazz para, assim, configurar um perfil pedagógico-musical inclusivo e interdisciplinar. Nessa narrativa curricular, acolhemos a metáfora do Currículo como Jazz, propondo uma narrativa com a Jam Session, bem como compartilhando nossas maneiras de dar sentido a Educação Musical e as possibilidades de desenhos curriculares que abarquem a conversação e improvisação. Nesse sentido, acolhemos uma Jam Session que envolva os sentidos de diálogo, trabalho coletivo, autoaprendizagem e igualdade de oportunidades, que valorize a tomada de decisões, a autonomia e a reflexão, e que articule, dessa forma, a inclusão e a interdisciplinaridade. Dessa forma, compreendemos a Jam Session como experiência coletiva, um espaço de aprendizagem social a partir do cultivo da individualidade musical. Nesse movimento, o ensino de Música se compõe em uma comunidade de aprendizagem recíproca, que se (re)descobre e (re)escreve a cada momento, no movimento performático de um Currículo como Jazz.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maristela Mosca, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil.

Doutora em Ciências da Educação - Desenvolvimento Curricular pela Universidade do Minho, Portugal. Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

AOKI, Ted T. Sonare and videre. In: PINAR, William F.; IRWIN, Rita L. (eds.). A curriculum in a new key: the collected works of Ted T. Aoki. Mahwah: Lawrence Erlbaum Associates, 2005. p. 367-376.

AINSCOW, Mel; MILES, Susie. Por una educación para todos que sea inclusiva: ¿Hacia dónde vamos ahora? Perspectivas. v. XXXVIII, n.1, mar 2008, p. 17-44. Acesso em 10 jul 2017.

ALEXANDER, Stephon. O Jazz da física – a ligação secreta entre a música e a estrutura do universo. Trad. Florbela Marques. Lisboa: Gradiva, 2016.

BILL EVANS JAZZ PIANIST on the creative process and self-teaching. Direção: Louis Cavrell. Produção: Carter Oak Telepictures inc. with Helen Keane, 1966. Documentário, 44’15’’. Acesso em 20 jan 2017.

DEL-BEM, Luciana. Sobre ensinar música na educação básica: ideias de licenciandos em música. Revista da ABEM, Londrina, v. 20, n. 29, p. 51-61, jul.dez 2012. Acesso em 11 mar 2015.

DOLL, William E. Currículo: uma perspectiva pós-moderna. Trad. Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

HATCH, Mary Jo. Explorando os espaços vazios: jazz e estrutura organizacional. RAE – Revista de Administração de Empresas. v.42, n.3, jul-set 2002, p. 19-35. Acesso em 23 ago 2016.

KLEBER, Magali. Educação musical: novas ou outras abordagens – novos ou outros protagonistas. Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 14, p. 91-98, mar. 2006. Acesso em 08 fev 2017.

LATHAM, Alison (ed.). Diccionario Enciclopédico de la Música. Ajusco: Fondo de Cultura Económica, 2008.

MALBRÁN, Silvia. Desafíos de la educación musical: disfrutar haciendo música. In: GIRÁLDES, Andrea; PIMENTEL, Lucia (Coord.). Educación artística, cultura y ciudadanía. Madrid: OEI, 2009.

MENEZES, José. O contexto social no ensino do jazz: a “jam session”. In: LOPES, Eduardo (ed.). Perspectivando o ensino do instrumento musical no séc. XXI. Évora: Universidade de Évora, FCT, 2011. p. 128-144.

NACHMANOVITCH, Stephen. Ser criativo: o poder da improvisação na vida e na arte. Trad. Eliana Rocha. São Paulo: Summus, 1993.

PIMENTA, Carlos José Gomes. Interdisciplinaridade nas ciências sociais. Vila Nova de Famalicão: Húmus, 2013.

PINAR, William F. O que é a teoria do currículo? Trad. Ana Paula Barros e Sandra Pinto. Porto: Porto Editora, 2007.

RODRIGUES, David. Tempo de repensar a educação. In Jornal Público Online. Artigo de opinião. Publicado em 24 jan 2017, 16:50h. Disponível em: Acesso em: 08 fev. 2017.

SABATELLA, Marc. Introdução à improvisação no Jazz. Trad. Cláudio Brandt. Edgewater: The Outside Shore Music, 2005. Acesso em 14 jul 2017.

SACRISTÁN, Gimeno. El curriculum: una reflexión sobre la práctica. 4. ed. Madrid: Morata, 1991.

SÁNCHEZ, Pilar Arnáiz. Educación inclusiva: una escuela para todos. Málaga: Ediciones Aljibe, 2003.

SCOTT, Andrew. “Sittin’In”: Barry Harris’s Use of the “Jam Session” as a Jazz Pedagogical Device. Journal of Popular Music Studies. v.16, n.3, oct 1, 2004, p. 283-290. Acesso em 11 jul 2017.

SILVA, G. O. V. Capital cultural, classe e gênero em Bourdieu. Revista Informare. v. 1, n. 2, jul/dez 1995, p. 24-36. Acesso em 23 fev 2017.

SMALL, Christopher. El Musicar: un ritual en el espacio social. In Revista Transcultural de Música. n.4, 1999. p. 1-16. Acesso em 13 mai 2017.

VAIDEANU, Georges. A interdisciplinaridade no ensino: esboço de síntese. In GUIMARÃES, Henrique; CONCEIÇÃO, José M.; POMBO, Olga; LEVY, Teresa (Org.). Antologia II. Lisboa: DEFCUL, 1992. p. 19-40.

Downloads

Publicado

2021-03-24

Como Citar

MOSCA, M. CURRÍCULO COMO JAZZ: pressupostos, perspectivas e fronteiras de/para uma jam session inclusiva e interdisciplinar . Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 1–8, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.56873. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/56873. Acesso em: 13 maio. 2021.