POLÍTICAS DE AVALIAÇÃO E CURRÍCULO DIANTE DO AVANÇO NEOCONSERVADOR

reflexões a partir de duas realidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.57080

Palavras-chave:

Políticas de Avaliação, Currículo, Neoconservadorismo

Resumo

Nesse artigo apresenta-se algumas reflexões decorrentes de uma pesquisa mais ampla que buscou analisar as repercussões da Prova Brasil no currículo e no trabalho docente em escolas das redes municipais de Campina Grande-PB e de Pelotas-RS, entendendo que as avaliações externas tornaram-se uma das principais tecnologias de reforma e de “modernização” do Estado, a serviço da materialização e fortalecimento de medidas neoliberais e neoconservadoras no campo da educação. Como pesquisa qualitativa, utilizou-se da revisão bibliográfica e da análise documental, além da pesquisa de campo abrangendo observações e entrevistas semiestruturadas com profissionais que atuam em cada uma das municipalidades envolvidas. Como resultados principais constatou-se que ambos os municípios têm colocado em prática políticas de cunho gerencial, o que inclui mudanças significativas na gestão das redes, com a participação ativa de atores do setor privado; sob a justificativa de melhorar os resultados nas avaliações externas, em especial a Prova Brasil, vêm adotando políticas próprias de avaliação com o objetivo de melhorar seu desempenho no Ideb. Isso tem aberto maior espaço de atuação para o setor privado, o qual atua na prestação de serviços de assessoria, com destaque para a Fundação Lemann.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luciana Leandro da Silva, Universidade Federal De Campina Grande, Brasil.

Doutora em Educação pelo Universitat Autònoma de Barcelona - UAB, Espanha. Professora Adjunta A da Universidade Federal de Campina Grande.

Carlos Augusto de Medeiros, Universidade Federal De Campina Grande, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo e Professor Adjunto da Universidade Federal de Campina Grande.

Referências

AFONSO, A. J. Estado, Políticas Educacionais e Obsessão Avaliativa. Contrapontos, v. 7, n. 1, p. 11-22, Itajaí, jan/abr 2007.

AFONSO, A. J. Mudanças no Estado Avaliador: comparativismo internacional e teoria da modernização revisitada. Revista Brasileira de Educação, v. 18, n. 53, abr.-jun. 2013.

AFONSO, A. J. Avaliação Educacional: fundamentos e políticas da educação básica e superior. Rev. educ. PUC-Camp., Campinas, 23(1):8-18, jan./abr., 2018.

APPLE, M. W. Conhecimento oficial: a educação democrática numa era conservadora. 2ª. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

APPLE, M. W. Política cultural e educação. São Paulo: Cortez, 2000.

APPLE, M. W. Educando à direita: mercados, padrões, Deus e desigualdade. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2003.

BALL, S. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 126, set./dez. 2005.

BAUER, A. et al. Iniciativas de avaliação do ensino fundamental em municípios brasileiros: mapeamento e tendências. Revista Brasileira de Educação, v. 22, n. 71, 2017.

BERTAGNA, R. H. Mapeamento dos Sistemas Estaduais de Avaliação da Educação (2005-2015). In: ADRIÃO, T.; GARCIA, T. (org.). Currículo, Gestão e Oferta da Educação Básica Brasileira: incidência de atores privados nos sistemas estaduais (2005-2015). Curitiba, PR: CRV, 2018. p. 41-51.

BONAMINO, A.; SOUSA, S. Z. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 373-388, abr./jun. 2012.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Editora Boitempo, 2016.

HYPOLITO, A. M. Políticas Curriculares, Estado e Regulação. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1337-1354, out.-dez. 2010.

HYPOLITO, A. M. BNCC, Agenda Mundial e Formação Docente. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 187-201, jan./mai. 2019. Disponível em: http//www.esforce.org.br. Acesso em: 20 dez. 2020.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Cartilha Saeb (2019). Brasília: Inep, 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/6734620. Acesso em: 09 out. 2019.

IUNES, Nailê P. A política curricular produzida pela escola como contraponto a políticas educacionais contemporâneas. Tese de Doutorado. Pelotas: UFPel, 2014.

MORRIS, P. Política Educacional, Exames Internacionais de Desempenho e a busca da escolarização de Classe Mundial: Uma Análise Crítica. Tradução de Fernando Effori de Mello. Rev. Tec. Adriana Bauer. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 28, n. 68, p. 302-342, maio/ago. 2017.

RODRIGUES, M. M.; OLIVEIRA, M. M. Trajetória do gerencialismo na rede pública municipal de Campina Grande - PB. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/vi-ennhe/anais/trabalhos/eixo2/submissao_14712075178101472992308981.pdf. Acesso em: 10 mar. 2018.

SAHLBERG, P. Finnish Lessons: What can the world learn from educational change in Finland? New York and London: Teachers College Press, 2011.

SAHLBERG, P. The Global Educational Reform Movement and Its Impact on Schooling. In: MUNDY, Karen; GREEN, Andy; LINGARD, Bob and VERGER, Antoni (eds). The Handbook of Global Education Policy. Chichester, UK: Wiley Blackwell, 2016. p.128-144.

SCHNEIDER, M. P.; NARDI, E. L. Accountability em educação: mais regulação da qualidade ou apenas um estágio do Estado-Avaliador? ETD – Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 58-74, jan./abr. 2015.

TARLAU, R.; MOELLER, K. O consenso por filantropia. Como uma fundação privada estabeleceu a BNCC no Brasil. Currículo sem Fronteiras, v.20, n.2, p. 553-603, maio/ago. 2020. Disponível em: https://www.curriculosemfronteiras.org/vol20iss2articles/tarlau-moeller.pdf?A17212B1-387F-E245-A371-1FD35D8CB53E_saas_cup_C6FA3ED5_6D17_47D1_B6E2_F4B02CC905E0_ Acesso em: 10 set. 2020.

Downloads

Publicado

2021-03-24

Como Citar

SILVA, L. L. da .; MEDEIROS, C. A. de. POLÍTICAS DE AVALIAÇÃO E CURRÍCULO DIANTE DO AVANÇO NEOCONSERVADOR: reflexões a partir de duas realidades. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 1–13, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.57080. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/57080. Acesso em: 13 maio. 2021.