ORIENTAÇÕES OFICIAIS DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELÉM PARA AS PRÁTICAS CURRICULARES EM TEMPOS DE PANDEMIA DE COVID-19 NOS ANOS 2020 E 2021

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v15i3.64675

Palavras-chave:

Práticas curriculares, Pandemia, Orientações oficiais

Resumo

Este artigo resulta de uma pesquisa em andamento que trata do tema práticas curriculares na educação básica e parte da seguinte indagação: “No período da pandemia de Covid-19, quais foram as orientações oficiais prescritas para as práticas curriculares dos docentes da Rede Municipal de Educação de Belém”? Assim, objetiva analisar as orientações oficiais prescritas para a orientação das práticas curriculares dos docentes da Rede Municipal de Educação de Belém no período da pandemia de Covid-19. A pesquisa desenvolve-se pela abordagem qualitativa e trata-se de uma pesquisa documental, ao utilizar a técnica na coleta de dados, tendo a análise dos dados realizada a partir da análise de conteúdo. A construção teórica fundamenta-se em vários autores, como Yin (2015), Roldão (2007), Franco (2008) e Sacristán (2017). A partir desse recorte, examinou-se o documento do calendário letivo aprovado pelo Conselho Municipal de Educação de Belém, no ano de 2020, no ápice pandêmico, pela Resolução nº 30-CME, 22/12/2022, Parecer nº 86/20 e o “Plano de retorno das atividades semipresenciais para o 2º semestre letivo-2021: Belém, cidade alfabetizada e educadora”. Os documentos trazem orientações curriculares, pedagógicas e de funcionamento para as etapas e modalidades de ensino. As prescrições dos documentos são efetivadas  pela Diretoria de Educação da Secretaria Municipal de Educação  de Belém. Nos dois anos do auge pandêmico as prescrições oficiais foram ampliadas, com ganhos para o   ensino-aprendizagem, sendo alterado em perspectiva coletiva, freiriana e   democrática, que busca a humanização, autonomia e criticidade dos sujeitos no processo educativo, em tempos de profunda vulnerabilidade humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marluce Batista Silva Cardoso, Univerasidade Federal Pará, Brasil.

Especialista em pedagogia do movimento humano pela Universidade do Estado do Pará e  Mestranda pela mesma instituição.

Genylton Odilon Rêgo da Rocha, Universidade Federal do Pará, Brasil.

Doutor em Geografia pela Universidade de São Paulo e Professor da Universidade Federal do Pará.

Referências

BELÉM. Conselho Municipal de Educação. Parecer nº 86, 2020. Belém: CME, 2020a.

BELÉM. Conselho Municipal de Educação. Resolução nº 30, de 22 de dezembro de 2020. Aprova o Calendário Letivo 2020 das Escolas da Rede Municipal de Ensino de Belém, conforme recomendações da Lei n.º 14.040/20, de 18 de agosto de 2020 do Conselho Nacional de Educação que estabeleceu normas educacionais excepcionais a serem adotadas durante o estado de calamidade pública. Belém: CME, 2020b.

BELÉM. Secretaria Municipal de Educação. Plano de Retorno das Atividades Semipresenciais para o 2º semestre letivo-2021. Belém: SEMEC, 2021. Disponível em: https://bit.ly/3zpAkEw. Acesso em: 20 jul. 2022.

BRASIL, Inep – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2020). Índice de desenvolvimento da educação básica. 2013 - 2021. Disponível em: http://inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-daeducacao-basica. Acesso em: 26 nov. 2022.

BRASIL. Medida Provisória nº 934, de 1 de abril de 2020. Estabelece normas excepcionais sobre o ano letivo da educação básica e do ensino superior decorrentes das medidas para enfrentamento da situação de emergência de saúde pública de que trata a Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020a. Brasília, DF: Presidência da República, 2020. Disponível em: https://bit.ly/3fhqduC. Acesso em: 16 ago. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP nº 5/2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Aprovado em 28 de abril. Brasília, DF: MEC, 2020b. Disponível em: https://bit.ly/3zpBwI0. Acesso em: 16 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. O que é a Covid-19? Brasília, DF: MS, 8 abr. 2021. Disponível em: https://bit.ly/3UrMZz5. Acesso em: 26 jul. 2021.

FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. 5. ed. rev. e atual. pela norma da ABNT 14724, de 30/12/2005. São Paulo: Saraiva, 2006.

FRANCO, Maria Laura Puglisi Barbosa. Análise de conteúdo. 3. ed.: Brasília, DF: Liber Livro, 2008. (Pesquisa; 6).

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2019.

FREIRE, Paulo. A importância do Ato de Ler: três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1989.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1987.

FREIRE, Paulo. Conscientização. Teoria e Prática da Libertação uma Introdução ao Pensamento de Paulo

Freire. São Paulo: Morais, 1980

LAPA, Andrea Brandão; COELHO, Isabel Colucci. Escola e internet: espaços de formação para a cidadania. Perspectiva, Florianópolis, v. 39, n. 3, p. 1-19, jul./set. 2021. Disponível em: https://bit.ly/3Dm7BBM. Acesso em: 18 out. 2021.

MORGADO, José Carlos; SOUSA, Joana; PACHECO, José Augusto. Transformações educativas em tempos de pandemia: do confinamento social ao isolamento curricular. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 15, e2016197, p. 1-10, 2020. Disponível em: https://bit.ly/3TPOh73. Acesso em: 17 set. 2021.

PACHECO, José Augusto. Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto, 1996. 270 p. (Coleção Ciências da Educação).

ROCHA, Genylton Odilon Rêgo. A geografia escolar brasileira no contexto das reformas educacionais neoliberais. In: SANTOS, Lucíola Licínio de Castro Paixão; FAVACHO, André Márcio Picanço Favacho (org.). Políticas e práticas curriculares: desafios contemporâneos. Curitiba, PR: CRV, 2012. p. 117-134.

ROLDÃO, Maria do Céu; ALMEIDA, Silva de. Gestão curricular: para a autonomia das escolas e professores. Lisboa: Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação, 2018.

ROLDÃO, Maria do Céu. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p. 94-181, jan./abr. 2007. Disponível em: https://bit.ly/3Nkh2pO. Acesso em: 14 nov. 2021.

SACRISTÁN, J. Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Tradução de Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Penso, 2017.

SACRISTÁN, J. Gimeno. Poderes instáveis em educação. Tradução de Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999. (Biblioteca Artmed).

STRECK, Danilo R. et al. Dicionário Paulo Freire. Danilo R. Streck; Euclides Redin Jaime; José Zitkoski (Orgs.) Coordenação-geral Danilo R. Streck, 2ª edição Revista e ampliada 1ª reimpressão. Editora Autêntica, 2019.

YIN, Robert K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Tradução de Daniela Bueno. Porto Alegre: Penso, 2015. (Métodos de Pesquisa).

Downloads

Publicado

15-12-2022

Como Citar

CARDOSO, M. B. S.; ROCHA, G. O. R. da . ORIENTAÇÕES OFICIAIS DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELÉM PARA AS PRÁTICAS CURRICULARES EM TEMPOS DE PANDEMIA DE COVID-19 NOS ANOS 2020 E 2021. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 15, n. 3, p. 1–18, 2022. DOI: 10.15687/rec.v15i3.64675. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/64675. Acesso em: 24 maio. 2024.