(DE)COLONIZAÇÃO DO CURRÍCULO

o desafio de movimentar o magma das estruturas coloniais para possibilitar uma ecologia de saberes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v16i3.67256

Palavras-chave:

Decolonialidade, Antirracismo, Cotidiano

Resumo

Este artigo traz discussões sobre (de)colonialidade, racismo, narrativas do cotidiano e infâncias a partir da temática do currículo e da educação. O que se propõe é pensar sobre a relevância de nos considerarmos sujeitos de nossa própria história para que, em diálogo com as narrativas infantis apresentadas e com os debates decoloniais possamos pensar táticas e fazeres antirracistas, compreendendo os modos a partir dos quais a ordem colonial opera em nossas subjetividades. Assim, indicam-se possibilidades de se pensar uma produção de conhecimentos que aponte para uma ecologia de saberes (SANTOS, 2013) tecida nas microesferas da sala de aula. Tudo isso, inspira-se nas proposições, metodologias e questões apontadas no trabalho de conclusão de curso intitulado “(De)colonização das infâncias: por uma epistemologia cotidiana das crianças negras”, que conta metodologicamente com a narrativa autobiográfica, a pesquisa com os cotidianos e a metodologia de conversas, aspectos que permeiam a escrita do artigo. Seus resultados colaboram para a ressignificação das infâncias negras a partir de janelas interculturais encontradas no cotiando escolar e inspira reflexões pedagógicas acerca do papel da escola na promoção de práticas que contribuam para a produção de subjetividades resistentes e não silenciadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Beatriz Mendes Queiroz, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.

Pedagoga pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Deise Guilhermina da Conceição, Universidade Federal Fluminense, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense e Professora da Rede Municipal de Educação do Rio de Janeiro.

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo Estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho: os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: ALVES, Nilda; OLIVEIRA, Inês Barbosa de (orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Petrópolis: DP et Alli, 2008.

BARONI, Patrícia, CONCEIÇÃO, Deise Guilhermina. Currículo, táticas, resistências: maneiras de fazer de estudantes egressos negros em tempos de regulação autoritária. Rev. Espaço do Currículo (online), João Pessoa, v.13, n.3, p. 446-462, set/dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.53947

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1.artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

DIAS SEM FIM. Direção: Joe Robert Cole. Produção de Mighty Engine e Color Force. Estados Unidos: Netflix, 2020. Streaming.

EVARISTO, Conceição. Conceição Evaristo | Escrevivência. Youtube, 6 fev. 2020. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2022.

FANON, Frantz. Os condenados da Terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1961.

FERRAÇO, Carlos Eduardo. Eu, caçador de mim. In: GARCIA, Regina. Método: pesquisa com o cotidiano.Rio de Janeiro: DP&A editora, 2003. p. 157-175.

GOMES, Nilma. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2020.

PALMIERI, Emerson. Social media, Echo chambers and contingency: a system theoretical approach about communication in the digital space. Kybernetes, Vol. ahead-of-print, No. ahead-of-print, abr. 2023. Disponível em: https://doi.org/10.1108/K-12-2022-1650. Acesso em: 2 jul. 2023. DOI: https://doi.org/10.1108/K-12-2022-1650

QUEIROZ, Beatriz Mendes. (De)colonização da infância: por uma epistemologia cotidiana das crianças negras. Rio de Janeiro, 2022. Monografia (Licenciatura em Pedagogia). Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2022

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgar. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 227-278.

ROLNIK, S. Pensamento, corpo e devir. Uma perspectiva ético/estético/política no trabalho acadêmico. Cadernos de Subjetividade, São Paulo, v. 2, n.1, p. 241-251, 1993.

SAMPAIO, Carmem; RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael. Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018. SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (orgs). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez Editora, 2013. s/p.

WALSH, Catherine. Interculturalidade crítica e pedagogia decolonial: in-surgir, re-existir e reviver. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 12-43.

Downloads

Publicado

30-08-2023

Como Citar

QUEIROZ, B. M. .; CONCEIÇÃO, D. G. da. (DE)COLONIZAÇÃO DO CURRÍCULO: o desafio de movimentar o magma das estruturas coloniais para possibilitar uma ecologia de saberes. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 1–16, 2023. DOI: 10.15687/rec.v16i3.67256. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/67256. Acesso em: 24 abr. 2024.