AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

questões sobre currículo, avaliação e qualidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v17i1.69552

Palavras-chave:

avaliação, currículo, avaliação diagnóstica, qualidade, Nova Iguaçu

Resumo

O presente trabalho investiga questões relativas ao currículo e à avaliação no âmbito do Plano Municipal de Educação da cidade de Nova Iguaçu (2015-2025), com foco na proposta de avaliação diagnóstica individual que seria implementada nas escolas do município no ano de 2020, não fosse pelo momento atípico provocado pela pandemia de covid-19. A partir de reflexões sobre avaliação e currículo, discutem-se outros conceitos, como qualidade e igualdade em educação, além da questão da fabricação de estereótipos decorrentes da fixação, mesmo que momentânea, do que é compreendido tanto por avaliação como por currículo. Ao investigar essas concepções, tão caras ao campo educacional, o trabalho propõe repensar o entendimento corrente de escola, destacando a complexidade do processo de ensino-aprendizagem-avaliação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Renata Oliveira, Secretaria Municipal de Educação de Nova Iguaçu, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro e Professora da Rede Municipal de Nova Iguaçu.

Referências

AGUILAR JÚNIOR, Carlos Augusto. Reprovação e política de avaliação na escola: um estudo na rede pública de Niterói. 2019. 293 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: www.bdtd.uerj.br/handle/1/10293. Acesso em: 24 abr. 2024.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a Base. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 24 abr. 2024.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 24 abr. 2024.

BRASIL. Portaria MEC n.º 867, de 4 de julho de 2012. Institui o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa [...]. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília (DF), n. 129, p. 22, 05 jul. 2012.

FERNANDES, Domingos. Avaliar para Aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

FERNANDES, Domingos. Para um enquadramento teórico da avaliação formativa e da avaliação sumativa das aprendizagens escolares. In: ORTIGÃO, Maria Isabel Ramalho; DOMINGOS, Fernandes; PEREIRA, Talita Vidal; SANTOS, Leonor. (Org.). Avaliar para aprender no Brasil e em Portugal: perspectivas teóricas, práticas e de desenvolvimento. Curitiba: CRV, 2019. p. 139-164.

FRANGELLA, Rita de Cássia Prazeres; MENDES, Juliana Camila Barbosa. “O que é o bom resultado?” Indagando o sentido da avaliação e suas articulações curriculares. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 26, n. 99, p. 296-315, abr./jun. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-40362018002600982. Acesso em: 24 abr. 2024. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-40362018002600982

HOFFMANN, Jussara. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Mediação, 2018.

LACLAU, Ernesto. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LOPES, Alice Casimiro. Por um currículo sem fundamento. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 21, n. 45, p. 445-466, maio/ago. 2015. DOI: https://doi.org/10.26512/lc.v21i45.4581

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MACEDO, Elizabeth. Currículo como espaço-tempo de fronteira cultural. Revista Brasileira de Educação, [S. l.], v. 11, n. 32, p. 285-296, maio/ago. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782006000200007

NOVA IGUAÇU (RJ). Caderno de orientações da avaliação diagnóstica. Nova Iguaçu: SEMED-NI, 2020a.

NOVA IGUAÇU (RJ). Lei Municipal n.º 4.504, de 23 de junho de 2015. Dispõe o Plano Municipal de Educação da cidade de Nova Iguaçu para o decênio 2015-2015 [...]. Nova Iguaçu (RJ): Prefeitura Municipal, 2015. Disponível em: www.mprj.mp.br/documents/20184/174657/Nova_Iguacu_Lei_4.504_15_Plano_Municipal_de_Educacao.pdf. Acesso em: 24 abr. 2024.

NOVA IGUAÇU (RJ). Ofício Circular n.º 031/SPDE. Avaliação Diagnóstica dos alunos do 1º ano de escolaridade. Nova Iguaçu (RJ): SPDE; SEMED-NI, 2020b.

PEREIRA, Talita Vidal. Analisando alternativas para o ensino de ciências naturais: Uma abordagem pós-estruturalista. Rio de Janeiro: Quartet/Faperj, 2012.

PINTO, Jorge. A avaliação em educação: da linearidade dos usos à complexidade das práticas. In: AMANTE, Lúcia; OLIVEIRA, Isolina. (Coord.). Avaliação das Aprendizagens: perspectivas, contextos e práticas. Lisboa: Universidade Aberta, 2016.

POPKEWITZ, Thomas.; LINDBLAD, Sverker. A fundamentação estatística, o governo da educação e a inclusão e exclusão. Educação e Sociedade, Campinas, v. 37, n. 136, p. 727-754, jul./set., 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302016165508

SILVA, Janssen. Avaliação na perspectiva formativa-reguladora: pressupostos teóricos e práticos. Porto Alegre: Mediação, 2004.

TYLER, Ralph. Princípios básicos de currículo e ensino. São Paulo: Globo, 1979.

Downloads

Publicado

30-04-2024

Como Citar

OLIVEIRA, R. AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA: questões sobre currículo, avaliação e qualidade. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 17, n. 1, p. e69552 , 2024. DOI: 10.15687/rec.v17i1.69552. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/69552. Acesso em: 18 jul. 2024.