USOS E CONSUMOS NO/DO COTIDIANO ESCOLAR

uma conversa sobre práticas, currículos e livros didáticos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2019v12n1.39838

Palavras-chave:

Cotidiano Escolar, Currículo, Práticas Cotidianas, Livro Didático

Resumo

O presente trabalho é fruto de uma pesquisa que buscou sentir e compreender o cotidiano escolar em sua potência, desenvolvida por meio de encontros e conversas com professoras que pensamfazem suas redes de conhecimentos, práticas e políticas em seus cotidianos escolares. O recorte apresentado neste texto narra uma conversa entra professoras da educação básica sobre escolha de livro didático e como este instrumento interfere e se (im)põem em suas práticas cotidianas. Ao questionarem a maneira como os livros didáticos são produzidos e expostos para escolha, através das conversas com as professoras, podemos evidenciar uma necessária e, ainda invisibilizada, interferência dos sujeitos praticantes do cotidiano escolar sobre a produção, elaboração, realização, circulação e consumo/uso desse material no cotidiano escolar. Assim, apostamos que tais aspectos levantados pelas professoras contribuem para discutirmos o escopo de alternativas políticaspráticas possíveis para combater os discursos que atacam de forma exacerbada a legitimidade do espaçotempo escolar e a atuação docente.

 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rafael Marques Gonçalves, Universidade Federal do Acre, Brasil.

Doutor em Educação pela UERJ. Docente da Universidade Federal do Acre vinculado ao Centro de Educação e Letras e ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFAC).

Referências

BATISTA, A. A. G. processo de escolha de livros: o que dizem os professores? In: ROJO, R.; ______; (orgs.). Livro Didático de Língua Portuguesa, Letramento e Cultura da Escrita. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2004, p.29-73.

CARVALHO, J. M.. Potência das redes de conversações na formação continuada com os professores. In: SUSSEKIND, M. L.; GARCIA, A. Universidade-Escola: diálogos e formação de professores. Petrópolis: DPetrus et Alli, 2011.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano 1: Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

MARTINS, E. F.; GUIMARÃES, G. M. A. As Concepções de natureza nos livros didáticos de ciências. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, v. 4, n. 2, p. 1-14, dez. 2002.

MATURANA, H.. A ontologia da realidade. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001.

MAKUNATA, K. O livro didático como mercadoria. Pro-Posições, v. 23, n. 3 (69), p. 51-66, set./dez. 2012.

Moreira, A. F. B.; Candau, V. M. Indagações sobre currículo. Brasília 2006. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

OLIVEIRA, I. B.; GARCIA, A. Práticas culturais, regulação e emancipação cultural no cotidiano escolar. In.: AMORIM, A. C.; PESSANHA, E. (orgs.). As potencialidades da centralidade da(s) cultura(s) para as investigações no campo do currículo. Campinas: FE/UNICAMP, GT Currículo da ANPed 2007.

Downloads

Publicado

2019-03-02

Como Citar

GONÇALVES, R. M. USOS E CONSUMOS NO/DO COTIDIANO ESCOLAR: uma conversa sobre práticas, currículos e livros didáticos. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 131–138, 2019. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2019v12n1.39838. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/ufpb.1983-1579.2019v12n1.39838. Acesso em: 19 jan. 2022.