A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

mediações na licenciatura em artes visuais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2019v12n3.46152

Palavras-chave:

Formação de professores, Artes visuais, Mediação

Resumo

O artigo analisa dimensões da formação de professores de arte no Estado do Espírito Santo (UFES), no período de 1997 a 2017. Os dados foram produzidos nas investigações do grupo de pesquisa (CNPq) Imagem, Tecnologias e Infâncias (GPITI), em colaboração com o Observatório da Formação de Professores no âmbito do Ensino de Arte (OFPEA/BRARG), em contextos vinculados à Universidade Federal do Espírito Santo. Como o curso de Licenciatura em Artes Visuais e o curso de Licenciatura em Educação do Campo, contribuem na implementação de políticas públicas de educação? Investiga a práxis de formação de professores de arte mediadas por dispositivos legais que orientam a formação docente no Brasil. Problematiza o currículo da licenciatura em face das lutas por educação pública para todos. Fundamenta a análise na categoria marxiano-lukacsiana das mediações, enquanto processos sociais que engendram práticas a partir dos contextos em que são produzidos. A formação de professores de arte é fomentada por políticas públicas e pela introdução de novas tecnologias de informação. Destaca-se o ingresso e participação de sujeitos advindos de contextos sociais diversos e suas culturas.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gerda Margit Schutz Foerste, Universidade Federal do Espírito Santo, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense. Professora do quadro permanente do Programa de Pós graduação em Educação /PPGE/CE/UFES. 

 

Fernanda Monteiro Barreto Camargo, Universidade Federal do Espirito Santo, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo. Professora da Licenciatura em Licenciatura em Educação do Campo - Linguagens e Pedagogia. - UFES.

Referências

BARBOSA, A. M. Teoria e Prática da Educação Artística. 4.ed. São Paulo: Cultrix, 1975. 115p.

______. A imagem do ensino da arte: anos oitenta e novos tempos. São Paulo: Perspectiva, Fundação IOCHPE, 1991, 134 p.

______. Arte-Educação: leitura no subsolo. São Paulo: Cortez, 1997.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988. 24ª. ed. São Paulo: Saraiva, 2000. (Coleção Saraiva de Legislação).

BRASIL, MEC. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 5692 de 1971.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n°9394,de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL, LEI N° 13.005/2014. Plano Nacional de Educação- 2014-2024.Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/485745/Plano+Nacional+de+Educa%C3%A7%C3%A3o+PNE+2014-2024++Linha+de+Base/c2dd0faa-7227-40ee-a520-12c6fc77700f?version=1.1 Acessado em abril de 2019.

BRASIL/Ministério da Educação. Parecer CNE/CP nº 9, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Portal MEC. Brasília, DF: MEC/CNE/CP, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf Acesso em: 24 abr. 2019.

BRASIL Resolução CNE/CP nº 1 de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Portal MEC. Brasília, DF: MEC/CNE/CP, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf Acesso em: 24 abr. 2019.

BRASIL, Decreto Presidencial nº 6.040 de 07 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Brasília: Gabinete presidencial, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm Acesso em: 03 mai. 2019.

BRASIL. Portaria Normativa nº 9, de 30 de junho de 2009. Institui o Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica. Brasília, DF: MEC, Diário Oficial da União, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/port_normt_09_300609.pdf Acesso em: 24 abr. 2019.

BRASIL, MEC. Parecer 028 de 2001.Disponivel em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/028.pdf. Acessado abril de 2019.

BRASIL, Lei nº 10.639, de 2003, Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acessado em maio de 2019.

BRASIL, Decreto nº 6040, de 2007, Instituiu a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidade Tradicionais,

BRASIL, Decreto nº 7,352, de 2010, Programa Nacional de

Educação na Reforma Agrária (PRONERA)

BRASIL Lei nº 12.711, de 2012, Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acessado em maio de 2019.

BRASIL, Lei nº 13.415, de 2017, Altera as Leis nºs 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2017/lei-13415-16-fevereiro-2017-784336-publicacaooriginal-152003-pl.html. Acessado em maio de 2019.

BRASIL, MEC/INEP. Censo do Professor 1997. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/487349. Acessado em maio 2019.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: arte/ Brasília: MEC/SEF, 1997. (1º e 2º Ciclos).

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: arte/ Brasília: MEC/SEF, 1998. (3º e 4º Ciclos).

BRASIL. Decreto Presidencial nº 9. 741 de 29 de março de 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/D9741.htm Acesso em: 29 abr. 2019.

BRASIL/ Ministério da Educação. Parecer CNE/CP nº 9, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Portal MEC. Brasília, DF: MEC/CNE/CP, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf Acesso em: 24 abr. 2019.

BRASIL, Resolução CNE/CP nº 1 de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Portal MEC. Brasília, DF: MEC/CNE/CP, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf Acesso em: 24 abr. 2019.

BRASIL, Decreto Presidencial nº 6.040 de 07 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Brasília: Gabinete presidencial, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm Acesso em: 03 mai. 2019.

BRASIL, Decreto Presidencial nº 9.465 de 02 de janeiro de 2019. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/57633286 Acesso em: 29 abr. 2019.

BRASIL, Portaria Normativa nº 9, de 30 de junho de 2009. Institui o Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica. Brasília, DF: MEC, Diário Oficial da União, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/port_normt_09_300609.pdf Acesso em: 24 abr. 2019.

CALDART, R. S. Licenciatura em Educação do Campo e o projeto formativo: qual o lugar da docência por área? In: MOLINA, M. C.; SÁ, L. M. (Orgs.). Licenciaturas em Educação do Campo: Registros e reflexões a partir das experiências piloto. Belo Horizonte: Autêntica, 2011

CIAVATTA, M. e ALVES, N. (orgs.) A Leitura de Imagens na Pesquisa Social: história, Comunicação e Educação. São Paulo: Cortez, 2004.

ENTREVISTA concedida ao pesquisador por professor do Curso. 2019 (anônimo)

FERRAZ, M.H.C. de T. FUSARI, M.F. de R. e. Metodologia do ensino de arte. São Paulo: Cortez, 1993 (Coleção magistério 2º grau, Série Formação do Professor).

FERRETTI C J., A reforma do Ensino Médio e sua questionável concepção de qualidade da educação. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142018000200025. Acessado em abril de 2019.

FOERSTE, E. & SCHÜTZ-FOERSTE, G. M. Professores, Sem-Terra e Universidade: Qual parceria? In.: ANDRADE, Márcia R. et al. A educação na Reforma Agrária em perspectiva. São Paulo/Brasília:Ação Educativa/PRONERA, 2004, pp. 211-227.

FOERSTE, E. Pedagogia da Terra: Uma avaliação da experiência da Universidade Federal do Espírito Santo (Relatório final de pesquisa). São Paulo/Brasília: Ação Educativa/INCRA/PRONERA, 2004a.

______. Pedagogia da Terra: um estudo sobrea formação superior de professores do MST. ANPED, GT, Formação de professores 08, 2004b. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/27/gt08/t084.pdf Acesso: 29 abr.2019.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

______. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

______. Política e Educação: ensaios /Paulo Freire – 5 ed. São

Paulo: Cortez, 2001. (Coleção Questões de nossa época; v.23).

GATTI, B. A. Análises com vistas a um referencial para política de formação de professores para o ensino básico. Brasília: CONSED, 1996.

HERNÁNDEZ, F. Cultura Visual, Mudança Educativa e projeto de Trabalho. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

IAVELBERG, R. Para gostar de aprender arte: sala de aula e formação de professores. Porto Alegre: Artmed, 2008.

LUKÁCS, G. As Bases Ontológicas do Pensamento e da Atividade do Homem. In:Temas de Ciências Humanas. São Paulo, n. 4 , p. 1-18, 1978

MARTIN-BARBERO, J. Dos meios às mediações:comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro,: Ed. UFRJ. 1997.

MARTINS, M. C. e PICOSQUE, G., GUERRA, M. T. Didática do Ensino da Arte: a língua do mundo: poetizar, fruir e conhecer a arte. São Paulo: FTD, 1998.

MARX, K., ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo : Moraes,

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A; Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, SP : Papirus, 2000

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, António. Os professores e sua formação. Lisboa - Portugal : Dom Quixote, 1992.

PEROTA M. L. L.R., Resgate da Memória da Universidade Federal do Espírito Santo: a fotografia como fonte histórica. Dissertação de mestrado do Programa de Pós-graduação em Educação da UFES, 1995

RAMOS, M. N. Pedagogia das Competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2001.

RANCIERE, J. O mestre ignorante. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

SANTOS, B.S. Introdução a uma ciência pós-moderna Rio de Janeiro: Graal, 1989.

SANTOS S.P. dos, FERNANDES, M. O. M. ROCHA, S F.M ALEIXO F. Formação de Professores para a Escola do Campo. In: Seminário Gepráxis, Vitória da Conquista –Bahia –Brasil, v. 6, n. 6, p 3605-3622, 2017.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. São Paulo: Cortez Ed.e Autores Associados, 1989. (coleção educação contemporânea)

SCHUTZ-FOERSTE, G.M. Leitura de Imagens: um desafio à educação contemporânea, Vitória-ES: EDUFES, 2004).

SCHÜTZ-FOERSTE, G. M. Contribuições de Lukács na pesquisa com imagens na Educação: um breve estudo das categorias trabalho, particularidade e mediação. In: FICHTNER, B.; FOERSTE, E.; SCHÜTZ-FOERSTE, G. M.; LIMA, M. (Org.). Cultura, Dialética e Hegemonia: Pesquisas em Educação. Curitiba: Appris, 2019.

SIMÕES, Vera Lúcia de Oliveira. A Evolução do Ensino de Artes no Espírito Santo: da ‘EBA’- Escola de Belas Artes, 1951 ao Centro de Artes/ UFES, 1971. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-graduação em Educação da UFES. Vitória –ES. Defendida 07 de março de 2001.

UFES, Universidade Federal do Espírito Santo Projeto, Pedagógico de Curso Artes Visuais – Licenciatura. Disponível em: http://prograd.ufes.br/sites/prograd.ufes.br/files/field/anexo/ppc_artes_visuais_licenciatura_2019.pdf Acessado em abril 2019.

UFES, Homepage da Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Artes. Disponível em: http://car.ufes.br/. Acessado em abril de 2019.

Downloads

Publicado

2019-10-03

Como Citar

SCHUTZ FOERSTE, G. M.; CAMARGO, F. M. B. A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: mediações na licenciatura em artes visuais. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 304–321, 2019. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2019v12n3.46152. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec/article/view/46152. Acesso em: 28 jan. 2022.