TÉCNICAS DE CONDUTA E POSIÇÕES DEMANDADAS PELA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v15i2.63113

Palavras-chave:

Possíveis posições de sujeito, Resolução de Problemas, Anos Finais do Ensino Fundamental

Resumo

O artigo trata da discussão de parte integrante de um dispositivo curricular, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) de Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental. Para analisar esta regulação utilizou-se o conceito foucaultiano de dispositivo, tendo como fundamentação teórico-metodológica os estudos de Michel Foucault, com alguns conceitos interpretados por Deleuze. O objetivo foi apropriar-se de sua teoria para analisar discursos de entidades educacionais sobre a BNCC, especificamente da prescrição de Matemática para os Anos Finais do Ensino Fundamental, que por meio de técnicas de conduta, podem disponibilizar posições de sujeito, especificamente aos estudantes, por meio da linha de força central do documento, a Resolução de Problemas. Foi adotado a método de cartografia rizomática por possibilitar a conexão dos pontos da reforma em ramificações que se dão em direções variadas por meio de seus discursos. Evidenciou-se que o conjunto de possíveis técnicas de conduta de constituição geradas pelo elemento do dispositivo, neste artigo, dão pistas de se localizarem mais próximas da produção de sujeito resolvedor de problemas de Matemática em uma lógica de reforma associada ao bom desempenho e interesses neoliberais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marcelo de Oliveira Dias, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutor em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e docente da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Referências

Associação Nacional Pela Formação dos Profissionais da Educação. Posição preliminar da ANFOPE sobre a BNCC. Unicamp, 2017. Disponível em: <https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/noticia/3302/bncc_carta_anfope_floripa-1.pdf> Acesso em: 15 jan. 2021.

Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. A Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd) e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Disponível em: <http://www.anped.org.br/sites/default/files/images/a_anped_e_a_bncc_versao_final.pdf> acesso em: 10 nov. 2020.

BAMPI, Lisete. Efeitos de poder e verdade do discurso da Educação Matemática. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre,v. 24, n. 1, p. 115-143, jan./jun. 1999.

BORGES, Clayton Cesar de Oliveira. Práticas discursivas em dispositivos curriculares de Educação Física da rede municipal de Sorocaba: estratégias para o governo das condutas de sujeitos da educação. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo. Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais. 2014. 171p.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Anos Finais do Ensino Fundamental, 2017. Disponível e; http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf Acesso em 22/03/2022.

DALAROSA, Adair Ângelo. Globalização, neoliberalismo e a questão da transversalidade. In: LOMBARDI, José Claudinei (org). Globalização, pós-modernidade e educação: história, filosofia e temas transversais. 3ª ed Autores associados: HISTEDBR; SC: UnC. São Paulo, 2009.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs - capitalismo e esquizofrenia. vol. 1/Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. 1 ed. Rio de janeiro: Ed. 34, 1995. 94 p. (Coleção TRANS).

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 1991.

FILHO, Kleber Prado; TETI, Marcela Montalvão. A cartografia como método para Ciências Humanas e Sociais. Revista Barbarói, Santa Cruz do Sul, n.38, p., jan./jun. 2013.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. História da sexualidade. 3.ed. Rio de Janeiro: Graal, 2002.

FOUCAULT, M. “Os corpos dóceis”. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 29ª ed. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Tradução de L. F. B. Neves. 8. ed. Rio de Janeiro: Ed. Forense Universitária, 2013a. 254 p.

FOUCAULT, Michel. Os recursos para o bom adestramento. In: FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Ed. Vozes, 2013b. p. 164-185.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias do Currículo. São Paulo: Cortez, 2011. 280 p.

GARCIA, Maria Manuela Alves. Políticas educacionais contemporâneas: tecnologias, imaginários e regimes éticos. Revista Brasileira de Educação, v. 15 n. 45 set./dez. 2010.

GONÇALVES, Jadson Fernando Garcia. Foucault e a questão do dispositivo, da governamentalidade e da subjetivação: mapeando noções. Revista Margens Interdisciplinar, Universidade Federal do Pará (UFPA). Dossiê Temático: Foucault e Deleuze, v.6, n.7, p. 105-122, 2010.

HODGSON, David. Conceptualising the compulsory education policy apparatus: producing and reproducing risky subjectivities. Journal of Education Policy, v.34, n.1, p.117-132, 2017.

LECOURT, Dominique. A Arqueologia e o Saber. In: FOUCAULT... [et al.]. O Homem e o discurso: (a arqueologia de Michel Foucault). 3 ed.; Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2008.

MACEDO, Elizabeth. “A base é a base”. E o currículo, o que é? In: AGUIAR, Márcia Ângela; DOURADO, Luís Fernandes (Orgs). A BNCC na Contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. 2018. p. 28-33.

MORGENSTERN, Juliane Marschall. Dispositivo curricular de controle: gerenciamento do risco de governamento da surdez no cenário educacional. Programa de Pós Graduação em Educação. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, 2009. 106 p.

PACHECO, José Augusto. Currículo: teoria e práxis. Portugal: Porto Editora, 2001.

SHARMA, Sashi. Qualitative approaches in mathematics education research: challenges and possible solutions. Education Journal, v. 2, n.2, p. 50-57, march 10, 2013.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidades terminais: as transformações na política da pedagogia e na pedagogia da política. Petrópolis: Vozes, 1996.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SOSA, Júlio. A nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do MEC: um crime contra a humanidade. A Postagem. Matéria de 28/02/2018. Disponível em: <https://www.apostagem.com.br/2018/02/28/nova-base-nacional-comum-curricular-bncc-do-mec-um-crime-contra-humanidade/> Acesso em: 20 fev. 2019.

Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM). Contribuições da SBEM para a Base Nacional Comum Curricular, 2016. 36 p. Disponível em: http://www.sbembrasil.org.br/files/BNCC_SBEM.pdf Acesso em: 29 out. 2020.

VEIGA-NETO, Alfredo. De Geometrias, Currículos e Diferenças. Foucault & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

Downloads

Publicado

15-10-2022

Como Citar

DIAS, M. de O. TÉCNICAS DE CONDUTA E POSIÇÕES DEMANDADAS PELA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 1–17, 2022. DOI: 10.15687/rec.v15i2.63113. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec/article/view/63113. Acesso em: 18 jul. 2024.