TECNOLOGIAS ASSISTIVAS: RECURSOS PEDAGÓGICOS À INCLUSÃO HUMANA

Autores

  • Elaine Conte Programa de Pós Graduação em Educação do Centro Universitário La Salle - Canoas/Unilasalle.
  • Antônio Carlos Basegio Centro Universitário La Salle – Unilasalle/Canoas.

Resumo

O ensaio busca analisar as tecnologias assistivas na educação, a partir de suas rupturas, contradições e avanços nos debates contemporâneos. Para isso, aborda as diversas percepções sob as quais se estabelecem as relações entre a inclusão humana, as tecnologias de interação e a produção do conhecimento. A abordagem metodológica da pesquisa é de enfoque hermenêutico, uma atitude dialógica aplicada a textos, que aposta na interpretação e na compreensão da realidade histórico-cultural. Como referencial teórico, utilizam-se os estudos de Freire (2000), Bersch e Tonolli (2008), Lévy (1999), Mantoan (2003), Tardif (2002), Vygotsky (1988), entre outros, porque elucidam questões inter-relacionadas com os processos de inclusão escolar, cultural, artístico e social, bem como das tecnologias assistivas. A investigação possibilitou conhecer o cenário das pesquisas sobre essas tecnologias e as inter-relações com a inclusão na complexa sociedade contemporânea, para afirmar que existem uma tensão e um subaproveitamento dessas tecnologias nos processos pedagógicos, embora seus avanços tenham dado respostas positivas à qualidade de vida das pessoas com necessidades especiais.

Palavras-chave: Tecnologias assistivas. Integração escolar. Educação inclusiva. Inter-relações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elaine Conte, Programa de Pós Graduação em Educação do Centro Universitário La Salle - Canoas/Unilasalle.

Doutora em Educação (UFRGS). Atualmente é professora doutora do Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro Universitário La Salle – Unilasalle/Canoas.

Antônio Carlos Basegio, Centro Universitário La Salle – Unilasalle/Canoas.

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro Universitário La Salle – Unilasalle/Canoas.

Referências

ALMEIDA, M. Elisabeth. Letramento digital e hipertexto: contribuições à educação. In: PELLANDA, Nize; SCHLÜNZEN, Elisa; SCHLÜNZEN, Klaus (Orgs.). Inclusão digital: tecendo redes afetivas/cognitivas. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

BAUMAN, Zygmunt. La società individualizatta. Bologna: Il Mulino, 2002.

BAPTISTA, Claudio Roberto. Inclusão e escolarização: múltiplas perspectivas. Porto Alegre: Mediação, 2009.

BAQUERO, Ricardo. Vygostky e a aprendizagem escolar. Tradução Ernani da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

BERSCH, Rita; PELOSI, Miryam. Portal de ajudas técnicas para a educação: equipamento e material pedagógico para a educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência física. Tecnologia assistiva: Recursos de acessibilidade ao computador. Brasília: MEC/SEESP, 2006.

BERSCH, Rita. Introdução às tecnologias assistivas: CEDI – Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil. Porto Alegre: [s.n.], 2008.

______. ; TONOLLI, José Carlos. Introdução ao Conceito de Tecnologia Assistiva e Modelos de Abordagem da Deficiência. 2008. Disponível em: < http://www.bengalalegal.com/tecnologia-assistiva>. Acesso em: 14 ago. 2014.

BEYER, Hugo Otto. Inclusão e avaliação na escola: de estudantes com necessidades educacionais especiais. Porto Alegre: Mediação, 2005.

BRASIL. Casa Civil. Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e da Cultura. Saberes e Práticas da Inclusão: avaliação para identificação das necessidades educacionais especiais. Brasília: Secretaria da Educação Especial. SEESP/MEC, 2006. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/avaliacao.pdf>. Acesso em: 21 jun. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão - SECADI/MEC, nov. 2011.

BRASIL. Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Comitê de Ajudas Técnicas. Tecnologia Assistiva. Brasília: CORDE, 2009. Disponível em: <http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/publicacoes/livro-tecnologia-assistiva.pdf >. Acesso em: 17 ago. 2014.

BRASIL. Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Resolução 4. Brasília, 2009a.

DAMASCENO, L. et al. As novas tecnologias e as tecnologias assistivas: utilizando os recursos de acessibilidade na educação. In: Anais do III Congresso Ibero-Americano de Informática na Educação Especial. Fortaleza, MEC, 2002.

FÁVERO, A.G. Educação Especial: tratamento diferenciado que leva à inclusão ou à exclusão de direitos? In: FÁVERO, A.G.; PANTOJA, L.de M.P.; MANTOAN, M.T.E. Atendimento Educacional Especializado: aspectos legais e orientação pedagógica. Brasília, MEC/SEESP, 2007, p. 13-22.

FREIRE, João Batista. Educação de Corpo Inteiro: teoria e prática da educação física. São Paulo: Scipione, 1997.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: EDUNESP, 2000.

______. Pedagogia do oprimido. 32. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

GLAT, Rosana. A integração social dos portadores de deficiência: uma reflexão. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1995.

LÉVY, Pierre. A máquina universo: criação, cognição, e cultura informática. Porto Alegre: Artmed, 1999.

MACIEL, Maria Regina Cazzaniga. Portadores de deficiência: a questão da inclusão social. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 2, p. 51-56, 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/spp/v14n2/9788.pdf>. Acesso em: 23 jun. 2014.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. A integração de pessoas com deficiência: contribuição para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon/SENAC, 1997.

______. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.

MERCADO, Luís Paulo Leopoldo (Org.). Novas tecnologias na educação: reflexões sobre a prática. Maceió: Edufal, 2002.

MORAES, M. Cândida. Educar na biologia do amor e da solidariedade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

PARENTE, André (Org.). Imagem-máquina: a era das tecnologias do virtual. São Paulo: Ed. 34, 1993.

PASSERINO, M. L. Pessoas com Autismo em Ambientes Digitais de Aprendizagem: estudo dos processos de interação social e mediação. 2005. 317f. Tese (Doutorado em Informática na Educação) - UFRGS, Porto Alegre, 2005.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Tradução Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artmed, 2002.

RIVOLTELLA, Pier Cesare. Media education: fondamenti didattici e prospettive di ricerca. Brescia: La Scuola, 2005.

SOUZA, Flávia Faissal de. Políticas de educação inclusiva: análise das condições de desenvolvimento dos alunos com deficiência na instituição escolar. 2013. 297p. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2013.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 2. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes. 2002.

TREVISAN, Amarildo L. Filosofia da educação: mímesis e razão comunicativa. Ijuí, RS: UNIJUÍ, 2000.

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: CORDE, 1994. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf>. Acesso em: 30 jul. 2014.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: _____ et al. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone: EDUSP, 1988.

Downloads

Publicado

2015-12-29

Como Citar

CONTE, E.; BASEGIO, A. C. TECNOLOGIAS ASSISTIVAS: RECURSOS PEDAGÓGICOS À INCLUSÃO HUMANA. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 24, n. 2, p. 28–44, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/20242. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

ARTIGO DE REVISÃO