O COMPUTADOR E A ARTE-EDUCAÇÃO: REFLEXÕES SOBRE OS LIMITES E POTENCIALIDADES

THE COMPUTER AND ART-EDUCATION: REFLECTIONS ON LIMITS AND POTENTIALITIES OF THIS INTEGRATION

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2020v29n3.52595

Palavras-chave:

Arte-Educação, Computador, Práticas Pedagógicas

Resumo

O presente texto, de abordagem hermenêutica, faz uma reflexão sobre os limites e as potencialidades do computador nos processos formativos da arte-educação dos estudantes. Partimos das seguintes problematizações: Quais são os sentidos e percepções dos professores nas experiências pedagógicas da arte-educação com o uso do computador? O computador no cotidiano escolar pode estimular o desenvolvimento de capacidades criativas nos sujeitos ou simplesmente aliená-las?O estudo visa compreender as relações da arte-educação e das formas de ensinar e de aprender por meio do computador, tendo em vista suas potencialidades e as percepções de experiências pedagógicas para o desenvolvimento do conhecimento sensível e singular no mundo. Partimos da hipótese de que o computador é, muitas vezes, tomado sobre uma representação empobrecida e operacionalizada, como algo fabricado para o consumo, o que gera a perda do sentido expressivo, comunicacional e a fugacidade deste instrumento cultural na educação. Por sua vez, quando éestimulado por um olhar artístico e sensível, pode ser (re)criado em novas manifestações socioculturais, produzindo sentidos e experiências estético-formativas no campo da arte-educação. Concluímos que o computador é uma construção humana com potencial para a promoção da criação criativa e de novas sensibilidades no campo da arte-educação, que pode causar rupturas em modelagens educacionais pelas próprias transformações que é capaz de engendrar nas práticas pedagógicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Milbradt, Universidade La Salle

Mestre em Educação pela Universidade La Salle - Canoas/RS, na linha de pesquisa: Cultura, Linguagens e Tecnologia na Educação (2020). Graduação em Artes Visuais Licenciatura pela UNIASSELVI/SC (2018); Especialização em Docência no Ensino Superior pela UNIASSELVI/SC (2019); Especialização em Arte Educação pela UNIASSELVI/SC (2019). Especialização em Arteterapia pela UNIBF (2020). Têm experiência prática nas séries iniciais, finais e ensino médio na licenciatura em Artes Visuais. Tem interesse nos seguintes temas: Arte/Educação, História da Arte, tecnologias e educação, filosofia da educação, hermenêutica e educação, Interculturalidade, Estudos Visuais. Participante do Núcleo de Estudos sobre Tecnologias na Educação - NETE/UNILASSALE/ CNPq.

Adilson Cristiano Habowski, Universidade La Salle

Doutorando em Educação pela Universidade La Salle - Canoas/RS, na linha de pesquisa: Culturas, Linguagens e Tecnologias na Educação. Possui o Ensino Médio na modalidade normal (magistério), com habilitação para atuar como professor nas áreas de Educação Infantil e Séries Iniciais (2014); Graduação em Teologia pela Universidade La Salle - Canoas/RS (2017) e Especialização em Docência no Ensino Superior: Práxis Educativa pela Universidade La Salle - Canoas/RS (2019). Tem experiência prática nas áreas de Educação Infantil, Séries Iniciais e na área de Pastoral Escolar, com ênfase em Formação humana. Tem interesse principalmente nos seguintes temas: filosofia das tecnologias; tecnologias e educação; teoria crítica; filosofia da educação; hermenêutica e educação; sexualidade, gênero e educação. Participante do Núcleo de Estudos sobre Tecnologias na Educação - NETE/UNILASALLE/CNPq.

Elaine Conte, Universidade La Salle

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, 2012). Professora da Universidade La Salle - UNILASALLE, Canoas, atua na graduação e no Programa de Pós-Graduação em Educação, Linha de Pesquisa Culturas, Linguagens e Tecnologias na Educação. Líder do Núcleo de Estudos sobre Tecnologias na Educação (NETE/CNPq), com financiamento do CNPq e do Programa Pesquisador Gaúcho, da FAPERGS. Possui graduação em Pedagogia com habilitação em séries iniciais e matérias pedagógicas pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM, 2003) e mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM, 2005). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Fundamentos da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, teoria crítica, filosofia da educação, tecnologias digitais e educação, estética e performance, educação a distância. É membro do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade La Salle e do Grupo de Estudos sobre Filosofia da Educação e Formação de Professores - GEFFOP/CNPq, coordenado pela professora doutora Catia Piccolo Viero Devechi (UnB).

Referências

ADORNO, T. L. W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

BARBOSA, A. M. (org.). Arte/educação contemporânea: consonâncias internacionais. São Paulo: Cortez, 2005.

BARBOSA, A. M. Inquietações e mudanças no ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2003.

BARBOSA, A. M. A imagem no ensino da arte: anos 1980 e novos tempos. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

BERTOLETTI, A. O ensino das artes visuais na era das tecnologias digitais. Curitiba: InterSaberes, 2016.

BULHÕES, M. A. Transterritórios: campo da arte e internet. Visualidades, Goiânia, v. 8, p. 11-22, 2010.

CHAUÍ, M. Convite à filosofia. 12. ed. São Paulo: Ática, 1996.

CONTE, E.; HABOWSKI, A. C.; RIOS, M. B. Ressonâncias das tecnologias digitais na educação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 1, p. 31-45, jan./mar., 2019. DOI:10.21723/riaee.v14i1.11110
FLUSSER, V. O Universo das imagens técnicas. Elogia da superficialidade. Coimbra: Annablume, 2012.

GADAMER, H-G. Verdade e método. 7. ed. Petrópolis: Vozes, Bragança Paulista: EDUSF, 2005.

HABOWSKI, A. C.; CONTE, E.; TREVISAN, A. L. Por uma cultura reconstrutiva dos sentidos das tecnologias na educação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 40, n. 2, p. 1-18, 2019. DOI: 10.1590/ES0101-73302019218349

HAN, B-C. Sociedade do cansaço. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

LIPOVETSKY, G; SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2015.

LEMOS, A. Cibercultura como território dominante. In: TRIVINHO, E.; CAZELOTO, E. (org.). A cibercultura e seu espelho: campo de conhecimento emergente e nova vivência humana na era da imersão interativa. São Paulo: ABCiber; Instituto Itaú Cultural, 2009, p. 38-46.

MERCADO, L. P. L. (org.). Novas Tecnologias na educação: reflexões sobre a prática. Maceió: Edufal, 2002.

PERRENOUD, P. 10 Novas competências para ensinar. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PILLAR, A. D. A educação do olhar no ensino das artes. 6. ed. Porto Alegre: Mediação, 2011.

PIRES, D. C. Arte e novas tecnologias. Canoas: UNIASSELVI, 2017.

POISSANT, L. Ser e fazer sobre a tela. In: DOMINGUES, Diana (org.). Arte e vida no século XXI: tecnologia, ciência e criatividade. São Paulo: Editora UNESP, 2003. Capítulo 7, p. 115-123.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Ed. 34, 2005.

SANTAELLA, M. L.; NÖRTH, W. Imagem - Cognição, Semiótica, Mídia. São Paulo: Iluminaras, 2005.

TAROUCO, L. M. R.; FABRE, M-C. J. M.; TAMUSIUNAS, F. R. Reusabilidade de objetos educacionais. RENOTE- Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v.1, n. 1, p. 1-11. 2003.

ZAMBONI, S. A pesquisa em arte: um paralelo entre arte e ciência. Campinas, SP: Autores Associados, 1998.

Downloads

Publicado

2020-09-30

Como Citar

MILBRADT, C.; HABOWSKI, A. C.; CONTE, E. O COMPUTADOR E A ARTE-EDUCAÇÃO: REFLEXÕES SOBRE OS LIMITES E POTENCIALIDADES : THE COMPUTER AND ART-EDUCATION: REFLECTIONS ON LIMITS AND POTENTIALITIES OF THIS INTEGRATION. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 29, n. 3, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2020v29n3.52595. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/52595. Acesso em: 24 set. 2021.