TRAGÉDIA E RECONHECIMENTO NA TRAJETÓRIA FORMATIVA

TRAGEDY AND RECOGNITION IN THE FORMATIVE TRAJECTORY

Autores

  • Roberto Cordeiro Sanches Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade La Salle/UNILASALLE.
  • Elaine Conte Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade La Salle/Unilasalle.

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2018v27n1.33496

Palavras-chave:

Saber trágico, Educação, Pesquisa-formação

Resumo

O artigo busca evidenciar e compreender o papel do saber trágico na experiência formativa, compreendido a partir de Jaspers e Ricoeur. A problematização aborda a potência criadora do trágico como um projeto de conhecimento presente na vida e na atuação de uma educadora de periferia, articulando com a discussão sobre o papel da escola e sua relação com a luta por reconhecimento social. A possibilidade de interlocução de questões teóricas e narrativas inscreve-se no contexto metodológico da pesquisa-formação, com base na história de vida. Na discussão, analisamos o impacto dado à formação (inter)subjetiva pelo saber trágico que tem como desafio a redenção ou a libertação, visto que a tragédia pode ser superada pela obra do ser humano mediante a autopoiesis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Cordeiro Sanches, Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade La Salle/UNILASALLE.

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade La Salle - UNILASALLE, na linha de pesquisa: Culturas, linguagens e tecnologias na educação. Bolsista da Capes.

Elaine Conte, Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade La Salle/Unilasalle.

Doutora em Educação (UFRGS). Atualmente é professora do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade La Salle, Canoas. Líder do grupo NETE/UNILASALLE/CNPq e membro do Grupo de Estudos sobre Filosofia da Educação e Formação de Professores - GEFFOP/CNPq.

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Trad. Eudoro de Sousa. Porto Alegre: Globo, 1966.

BORNHEIM, Gerd A. Breves observações sobre o sentido e a evolução do trágico. In: BORNHEIM, Gerd A. (Org.). O sentido e a máscara. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1969, p. 69-92.

BATISTA, André Nunes. Direitos Humanos e a luta por reconhecimento: o sentido filosófico dos direitos humanos e a luta por reconhecimento em Axel Honneth. In: Revista Liberdades [online], IBCCRIM, São Paulo, 2012. Disponível em: < http://www.revistaliberdades.org.br/_upload/pdf/11/artigo1.pdf> Acesso em: 14 jul. 2016.

BUNCHAFT, Maria Eugênia. Habermas e Honneth: leitores de Mead. Sociologias [online]. 2014, vol. 16, n. 36, pp. 144-179. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/49661/31067 Acesso em: 14 jul. 2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 9. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FREIRE, Paulo. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

HAUSER, Arnold. História social da literatura e da arte. Tomo I. Trad. Walter H. Geenen. São Paulo: Mestre Jou, 1972.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo, Editora 34, 2009.

JASPERS, Karl. O trágico. Trad. Ronel Alberti da Rosa. Desterro: Ed. Nephelibata, 2004.

JASPERS, Karl. Esencia y formas de lo trágico. Buenos Aires: Editorial Sur, S.R.L., 1960.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

MONTEIRO, Dulcinéa da Mata Ribeiro. Metanóia e meia idade: trevas e luz. São Paulo: Paulus, 2008.

NOLIN, Danielle. O romance de autoformação: um processo do ato criador para a invenção de si. Diálogo, identidade e alteridade no biográfico. In: PASSEGGI, Mariana da Conceição; NOBRE, Tatyana (Org.). Narrativas de formação e saberes biográficos. Natal, Edufrn; São Paulo: Paulus, 2008.

RICOEUR, Paul. Sobre o trágico. Leituras 3: Nas fronteiras da filosofia. São Paulo: Loyola, 1996.

Downloads

Publicado

2018-07-10

Como Citar

SANCHES, R. C.; CONTE, E. TRAGÉDIA E RECONHECIMENTO NA TRAJETÓRIA FORMATIVA: TRAGEDY AND RECOGNITION IN THE FORMATIVE TRAJECTORY. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 27, n. 1, p. 92–107, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2018v27n1.33496. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/33496. Acesso em: 16 jan. 2022.

Edição

Seção

MÉMÓRIAS CIENTÍFICAS ORIGINAIS