AS CRIANÇAS PRETAS ME CONVIDARAM A OUVI-LAS

reencantando e reiventando o currículo a partir das histórias infantis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v16i3.67275

Palavras-chave:

Crianças, Literatura infantil, Identidade negra

Resumo

O artigo apresenta possibilidades de encantamento e reencantamento, partindo de vivências e conversas com crianças da pré-escola, que teve como um dos objetivos da pesquisa: apresentar como as crianças percebem os processos de construção da identidade e de uma autoimagem positiva a partir de livros de Literaturas Infantis Pretas que abordam valores civilizatórios afro-brasileiros e/ou princípios de cosmovisão africana. Nesse sentido, o estudo teve como base metodológica a abordagem qualitativa e, como estratégia de investigação, utilizamos o aporte da etnografia para contemplar a pesquisa com crianças, adotando os referenciais teóricos e metodológicos da Pretagogia e dos Valores Civilizatórios Afro-brasileiros. A pesquisa foi realizada em um Centro de Educação Infantil de Feira de Santana/BA. As crianças comentam as histórias, as imagens, as situações e relacionam com as suas vivências, se reconhecem através dos personagens; as histórias surgem também para romper como um distanciamento das crianças diante de outras culturas, apresentando a elas e valorizando outras formas de existir e produzir conhecimento.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Daniela Coutinho Barreto Dias, Secretaria Municipal de Educação de Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Feira de Santana e Professora da Educação Infantil da Rede Municipal de Feira de Santana.

Marco Antonio Leandro Barzano, Universidade Estadual de Feira de Santana, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas e Professor da Universidade Estadual de Feira de Santana.

Referências

ABRAMOWICZ, A; GOMES, N. L. (Orgs.). Educação e raça: perspectivas políticas, pedagógicas e estéticas. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

ADICHIE, C. N. O perigo de uma única história. Companhia das Letras, 2019.

AQUINO, L. Educação da infância e pedagogias descolonizadoras: reflexões a partir do debate sobre identidades. In: FARIA, A. L.; BARREIRO, A.; MACEDO, E. E.; SANTIAGO, F.; SANTOS, S.E. (orgs.). Infâncias e pós-colonialismo: pesquisas em busca de pedagogias descolonizadoras. Campinas, SP: Leitura Crítica; Associação de Leitura do Brasil, ALB, 2015, p.95-105.

ARAUJO, D. C.; DIAS, L. R. Vozes de Crianças Pretas em Pesquisas e na Literatura: esperançar é o verbo. Educ. Real., Porto Alegre, v. 44, n. 2, 2019. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/88368 . Acesso em: 08 de mai. de 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-623688368

BENTO, Maria Aparecida Silva. A identidade racial em crianças pequenas. In: BENTO. Maria Aparecida Silva. Educação infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais. São Paulo: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades - CEERT, 2012.

BRITO, Kalypsa. Pretinha de Ébano. Salvador: Kawo-Kabiyesile, 2016.

CARDOSO, Lourenço. Branquitude acrítica e crítica: A supremacia racial e o branco anti-racista. Revista Latino-americano de Ciências Sociais, vol. 8, Nº 1, 607-630, 2010.

CARVALHO, R. S.; FOCHI, P. S. O muro serve para separar os grandes dos pequenos: narrativas para pensar uma pedagogia do cotidiano na educação infantil. Textura, Canoas, v. 18, n. 36, p. 153-170, jan./abr. 2016.

CAVALLEIRO, Eliane. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: educação e poder: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. São Paulo: Contexto, 2006.

DELGADO, Ana Cristina; MÜLLER, Fernanda. Abordagens etnográficas com crianças e suas culturas. In: CRUZ, Silvia Helena Vieira. A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. Educação Antirracista: caminhos abertos pela Lei federal nº 10.639/03. Brasília, MEC, Secretaria de educação continuada e alfabetização e diversidade, 2005. P. 39 - 62.

GOMES, Nilma Lino. Relações Étnico-Raciais, Educação E Descolonização Dos Currículos. Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG. Currículo sem Fronteiras, v.12, n.1, pp. 98-109, Jan/Abr 2012. Disponível em: https://www.curriculosemfronteiras.org/vol12iss1articles/gomes.pdf. Acesso em: 05 de junho de 2014.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Tradução: Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Editora Martins Fontes. 2017

LIMA, Tamires. Tóim, cadê você?. Salvador/Secretaria de Educação, Secretaria de Cultura, 2014.

LOURO, G. L. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

MOREIRA, Antônio Flavio Barbosa; CANDAU, Vera Maria. Educação escolar e cultural: construindo caminhos. Revista Brasileira de Educação, n 23, 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782003000200012

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Palestra proferida no 3º Seminário Nacional Relações Raciais e Educação-PENESB-RJ, em 5 nov. 2003.

OLIVEIRA, Fabiana Luci de. Metodologias de pesquisa na sociologia da infância. In: ABRAMOWICZ, Anete. HENRIQUES, Afonso Henriques (Orgs). Educação Infantil: A luta pela infância. Campinas, SP: Papirus, 2018.

OLIVEIRA, Fabiana de. Infância e resistência. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart de, Alex Barreiro, Eliana Elias de Macedo, Flávio Santiago, Solange Estanislau dos Santos (Organizadores). Infâncias e pós-colonialismo: pesquisas em busca de pedagogias descolonizadora. Campinas, SP: Leitura Crítica; Associação de Leitura do Brasil – ALB, 2015.

OLIVEIRA. Kiusam de. Literatura negro-brasileira do encantamento e as infâncias: reencantando corpos negros. Feira Literária Brasil - África de Vitória-ES. v. 1 n. 3. 2020.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónké. Tradução para uso didático de OYĚWÙMÍ, Oyèrónkẹ́ por Wanderson Flor do Nascimento. Matripotency: Ìyá in philosophical concepts and sociopolitical institutions. What Gender is Motherhood? Nova Iorque: Palgrave Macmillan, 2016, capítulo 03, p. 57-92. DOI: https://doi.org/10.1057/9781137521255_4

PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisa pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In: MEYER, Dagmar Estermann, and Marlucy Alves PARAÍSO. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012.

PETIT, Sandra Haydée. Pretagogia: Pertencimento corpo-dança afroancestral e tradição oral africana na formação de professoras e professores - Contribuições para a implementação da Lei 10.639/2003. Fortaleza: EdUECE, 2015.

RAMOS, Lázaro. Caderno de rimas do João. 1 ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2016.

RAMOS, Lázaro. Sinto o que Sinto – E a incrível história de Astar e Jaser. São Paulo: Carochinha, 2019.

ROCHA, Eloisa Acires Candal. Por que ouvir crianças? Algumas questões para um debate para um debate científico multidisciplinar. In: A criança fala: a escuta das crianças em pesquisas. CRUZ, Silvia Helena Vieira Cruz (org.). São Paulo: Cortez, 2008.

SANTANA, Patrícia Maria de Souza. Educação Infantil. In: BRASIL. Ministério da Educação / Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Orientações e Ações para Educação das Relações Étnico-Raciais. Brasília: SECADI, 2006.

SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.) Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

SILVA, Geranilde Costa: Pretagogia: construindo um referencial teórico-metodológico de matriz africana para a formação de professores/as. Tese de doutoramento em Educação Brasileira. Fortaleza: UFC, 2013.

SOUSA, Andréia Lisboa. Personagens negros na literatura infanto-juvenil: rompendo

estereótipos. In: CAVALLEIRO, Eliane. Racismo e Anti-racismo na educação:

repensando nossa escola. São Paulo: Summus, 2001.

TRINDADE, Azoilda Loretto da. Valores civilizatórios afro-brasileiros e Educação Infantil: uma contribuição afro-brasileira. In: BRANDÃO, Ana Paula; TRINDADE, Azoilda Loretto da. Modos de brincar: caderno de atividades, saberes e fazeres. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2010.

TRINDADE, Azoilda Loretto. Valores Civilizatórios Afro-Brasileiros na Educação Infantil. In: Revista Valores Afro-brasileiros na Educação. 2005.

TRINIDAD, Cristina Teodoro. Diversidade Étnico-Racial: Por Uma Prática Pedagógica na Educação Infantil. In: BENTO, Maria Aparecida Silva et al. Educação infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais. São Paulo: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades - Ceert, 2012. Cap. 2. p. 119-137.

Downloads

Publicado

28-10-2023

Como Citar

DIAS, D. C. B. .; BARZANO, M. A. L. AS CRIANÇAS PRETAS ME CONVIDARAM A OUVI-LAS: reencantando e reiventando o currículo a partir das histórias infantis. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 1–20, 2023. DOI: 10.15687/rec.v16i3.67275. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/67275. Acesso em: 24 abr. 2024.