PRÁTICASPOLÍTICASINCLUSIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

brincar como resistência e invenção de mundos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v16i3.68464

Palavras-chave:

Infâncias, Aprendizagens, Equidade

Resumo

Apresenta problematizações a partir de práticas inclusivas no contexto educativo de um Centro Municipal de Educação Infantil da cidade da Serra no Estado do Espírito Santo, Brasil. Objetiva visibilizar e debater possibilidades de conversas por entre educação infantil, cuidado, realidade social, aprendizagem e bem estar das crianças; frente a um momento em que existe uma crescente ampliação do número de crianças chamadas, neste tempo, de atípicas. Investiga a partir de redes de conversações e as pesquisas com os cotidianos; modos de resistência como experimentação estética de viver as infâncias na sua mais alta potência no contexto escolar. Tece abordagens com as intercessões teóricas de Deleuze, Freire, Kohan, dentre outros que ajudam a tecer educação como invenção de mundos e resistência. Aposta em composições afetivas, a partir de uma escuta atenta e sensível às infâncias e aos contextos experimentados com os cotidianos escolares, na invenção de mundos possíveis que possam afirmar a vida e a aprendizagem como força, frente às vulnerabilidades sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Riziane Costa Prates, Universidade Vila Velha, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo e Professora da Universidade Vila Velha.

Marcia Marques Teixeira, Prefeitura Municipal da Serra, Brasil.

Graduada em Pedagogia pelo Centro Universitário Estácio Ribeirão Preto e Professora da Rede Municipal da Serra.

Camila Junca Stefenon, Universidade Vila Velha, Brasil.

Bacharel em Direito pela Universidade Vila Velha.

Referências

AMARAL, Lígia Assumpção. Sobre crocodilos e avestruzes: falando de diferenças físicas, preconceitos e sua superação. In: AQUINO, Júlio Groppa (org.). Diferenças e preconceitos na escola: alternativas teóricas e Práticas. São Paulo, Summus Editorial, 1998.

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BRASIL. Lei n. 9.394. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Ministério da educação. Secretaria de Educação Especial, Brasília, 2008.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/ Lei/L13146.htm>. Acesso em: 31 out. 2023.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação. PNEE: Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida/ Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação – Brasília; MEC. SEMESP. 2020. 124p.

CARVALHO, Janete Magalhães. O cotidiano escolar como comunidade de afetos. Petrópolis, RJ: DP ET Alii; Brasília, DF: CNPq, 2009.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2008.

COUTO, Mia. E se Obama fosse africano? E outras intervenções. Ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 103-4.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Tradução Luiz Orlandi, Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988, 1ª edição, 2ª edição, 2006.

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos; tradução de Antônio Carlos Piquet e Roberto machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. São Paulo: Editora Escuta, 1998.

FERRAÇO, Carlos Eduardo. Currículo, formação continuada de professores e cotidiano escolar: fragmentos de complexidade das redes vividas. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo (org.) Cotidiano escolar, formação de professores (as) e currículo. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 50 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 24ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREITAS, Marcos Cezar de. O aluno incluído na educação básica: avaliação e permanência. São Paulo: Cortez, 2013.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 4. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

KOHAN, Walter Omar. Lugares da infância: filosofia. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

MELLO, Thiago de. Os Estatutos do Homem (Ato Institucional Permanente), 2006. A Carlos Heitor Cony. Disponível em: < https://www.pensador.com/frase/NTIwNTA5/>. Acesso em 30 out. 2023.

PRATES, Maria Riziane Costa. Políticas de amizade e alegria nos currículos e formação de professores da educação infantil. 1.ed. – Curitiba: Appris Editora, 2020.

Downloads

Publicado

21-12-2023

Como Citar

PRATES, M. R. C.; TEIXEIRA, M. M.; STEFENON, C. J. . PRÁTICASPOLÍTICASINCLUSIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: brincar como resistência e invenção de mundos. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 1–12, 2023. DOI: 10.15687/rec.v16i3.68464. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/68464. Acesso em: 19 maio. 2024.