A LEI E A ORDEM

efeitos de sentidos reacionários e conservadores para o currículo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.46088

Palavras-chave:

Política Curricular, Efeitos De Sentido, Demandas Conservadoras

Resumo

Distintas demandas e disputas podem ser percebidas nos mais variados contextos do campo educacional. Não obstante, também se diferenciam as concepções teórico-metodológicas da pesquisa em educação. Em uma abordagem discursiva, não essencialista, a partir da qual temos participado do debate curricular, rejeitamos uma unidade essencial e/ ou de fundamento último para o social. Assim, as exigências e/ ou solicitações diferenciais são reconhecidas como fluxos culturais, bem como efeitos de poder, uma vez produzidas no espaço-tempo aberto da enunciação, no qual o contexto é relevante para a comunicação, mas jamais estará dado tal como um sentido de totalidade para ser desvelado e meramente transmitido como cálculo. Dessa forma, procuramos contribuir com o debate no campo do currículo, compreendido como uma prática cultural sempre ambivalente, em que “o mesmo e o Outro” são iteradamente articulados na própria luta pela significação. Considerando a abordagem, buscamos o que está em jogo em algumas disputas políticas atuais, especificamente, no contexto de enunciação curricular articuladas por propostas de cunho reacionário e conservador. Para tal, propomos a leitura de três Projetos de Lei, os quais visam audaciosas alterações no campo: ensino religioso como solução para os problemas da educação; o criacionismo como conteúdo de ensino nas escolas; a criminalização dos docentes por assédio ideológico.  Discutindo os projetos, esperamos contribuir com o debate, explicitando algumas reedições discursivas e as estratégias que põem em jogo, como a hibridização livre de discursos os mais variados, incluindo os do campo educacional.

Palavras-chave: Política Curricular. Efeitos de sentido. Demandas conservadoras.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

William de Goes Ribeiro, Universidade Federal Fluminense, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Professor Adjunto da Universidade Federal Fluminense.

Sheila Aparecida da Mota Pereira, Secretaria Municipal de Educação de Angra dos Reis, Brasil.

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal Fluminense. Pedagoga e Professora da Secretaria Municipal de Educação de Angra dos Reis.

Referências

APPADURAI, Ajur. O medo ao pequeno número: ensaio sobre a geografia da raiva. Trad. Ana Goldberger. São Paulo: Iluminuras; Itaú Cultural, 2009.

APPLE, Michael W. Educando à direita: mercados, padrões, deus e desigualdade. Trad. de Dinah de Abreu Azevedo. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2003.

BHABHA, Homi. Nuevas minorias, nuevos direitos: notas sobre cosmopolitismos vernáculos. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2013.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988. Disponível em < http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 05 Set. 2016.

BRASIL. Projeto de Lei 309/2011. Altera o art. 33 da Lei n.º 9.394/96, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino religioso nas redes públicas de ensino do país. Câmara dos Deputados Federais, Brasília, DF. Disponível: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=1BEE6981F355FF9A899F51A509BACEC3.proposicoesWebExterno1?codteor=838509&filename=PL+309/2011. Acesso em: 21 maio 2017.

BRASIL. Projeto de Lei 1411/2015. Tipifica o crime de Assédio Ideológico e dá outras providências.. Câmara dos Deputados Federais, Brasília, DF. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1330054&filename=PL+1411/2015. Acesso em: 21 maio 2017.

BRASIL. Projeto de Lei 5336/2016. Acrescenta um parágrafo 10 ao art. 26 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional e dá outras providências, para incluir a “Teoria da Criação” na base curricular do Ensino Fundamental e Médio. Câmara dos Deputados Federais, Brasília, DF. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1459211&filename=PL+5336/2016 >. Acesso em: 21 maio 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta encaminhada ao Conselho Nacional de Educação. Terceira versão (consulta pública). Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacaopdf. Acesso em: 25 abr. 2017.

BURBULES, Nicholas C. Uma gramática da diferença: algumas formas de repensar a diferença e a diversidade como tópicos educacionais. In: GARCIA, R. L.; MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa (orgs.). Currículo na contemporaneidade: Incertezas e desafios. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2012, p. 175-206.

CIAVATTA, Maria. Resistindo aos dogmas do autoritarismo. In: FRIGOTO, Gaudêncio. (Org). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017, p. 07-15.

CUNHA, Luiz. Antônio. - O Sistema Nacional de Educação e o ensino religioso nas escolas públicas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 34, núm. 124, pp. 925-941, julho-setembro, 2013.

DERRIDA, Jacques. Limited INC. Trad. Constança Marcondes Cesar. Campinas, SP: Papirus, 1991.

LACLAU, Ernesto. A. Razão Populista. Trad. Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Três Estrelas, 2013.

LACLAU, Ernesto A.; MOUFFE, Chantau. Hegemonia e Estratégia Socialista. São Paulo: Intermeios; Brasília: CNPq, 2015.

LOPES, Alice Casimiro. Por um currículo sem fundamentos. Linhas Críticas (UnB), Brasília, v. 21, p. 445- 466, 2015.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MACEDO, Elizabeth. Por uma política da diferença. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 128, p. 327-356, maio / ago. 2006.

LOPES, Alice Casimiro. Como a diferença passa do centro à margem nos currículos: o exemplo dos PCN. Educação & Sociedade, Campinas, p.87-109, 2009.

LOPES, Alice Casimiro. Currículo, cultura e diferença. In: LOPES, A.C.; ALBA, a. (Org). Diálogos Curriculares entre Brasil e México. 1. ed. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014, p. 83-101.

LOPES, Alice Casimiro. As demandas conservadoras do movimento escolar sem partido e a base nacional curricular comum. Educação & Sociedade, Campinas, v. 38, n. 2, p.507-524, 2017.

LOPES, Alice Casimiro. Repolitizar o social e tomar de volta a liberdade. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.34, p.1-15, 2018.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Cadernos PENESB. Niterói: EdUFF, 2004, p. 17-34.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Ciladas da Diferença. São Paulo: Editora 34, 1999.

RIBEIRO, William de Goes. Remobilizando a pesquisa com o pós-estruturalismo: quando a diferença faz toda diferença. Currículo sem fronteiras, v.16, n.3, p.542-558, set/dez.2016.

RIBEIRO, William de Goes. Currículo, subjetivação e políticas da diferença: um diálogo com Homi Bhabha. Conjectura: Filos. Educ., Caxias do Sul, v. 22, n. 3, p. 576-597, set./dez. 2017.

RIBEIRO, William de Goes; CRAVEIRO, Clarissa Bastos. Precisamos de uma Base Nacional Curricular Comum? Linhas Críticas, v. 23, n. 50, p. 51-69, 2017.

Downloads

Publicado

2021-03-24

Como Citar

RIBEIRO, W. de G.; PEREIRA, S. A. da M. A LEI E A ORDEM: efeitos de sentidos reacionários e conservadores para o currículo. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 1–16, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.46088. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/46088. Acesso em: 13 maio. 2021.