TEORIA DO DISCURSO E A QUESTÃO MULTICULTURAL

articulações (im) possíveis?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v15i2.64556

Palavras-chave:

Teoria do Discurso, Multiculturalismo, Teoria Política, Educação, Diferença

Resumo

O texto propõe a articulação do aporte teórico-metodológico da abordagem discursiva laclauniana com as questões multiculturais. Traça uma contextualização na qual explicita a relevância do debate identitário para o país, a despeito das críticas e dos problemas e riscos com o essencialismo. A partir disso, destaca o que tem sido compreendido como multiculturalismo, isto é, um conjunto de respostas acerca da condição plural das sociedades contemporâneas. Tais respostas são mobilizadas por questões enunciadas em múltiplos contextos, incluindo, a educação. Já a teoria do discurso emerge como uma teoria política pós-estruturalista e pós-fundacionista. Não há origens e nem teleologias, identidades fixas e sujeitos autocentrados. Rejeitando tanto o universalismo imposto quanto o relativismo fragmentário, se apresenta como um convite para pensar o social de outro modo, incorporando questões complexas como o universalismo e o particularismo. Nesse sentido, não nega a necessidade de respostas às questões multiculturais, mas ao modo como geralmente as tratamos, reconfigurando o sentido de diferença para além da diversidade cultural, o que inclui também a singularidade, a multiplicidade, o fluxo discursivo em disputa. Defendo que a aproximação é potente e pertinente para o debate contemporâneo no qual o país se insere de maneira dramática, considerando as desigualdades e as opressões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

William de Goes Ribeiro, Universidade Federal Fluminense, Brasil.

Professor Adjunto do curso de Pedagogia do Instituto de Educação de Angra dos Reis (IEAR) e do Programa de Pós-graduação em Cultura e Territorialidades (PPCULT) da Universidade Federal Fluminense (UFF). Na mesma instituição, é líder do Grupo de Pesquisa em Educação e Cultura (GPECult).

Referências

APPADURAI, Arjun. O medo ao pequeno número: ensaio sobre a geografia da raiva. São Paulo: Iluminuras: Itaú Cultural, 2009.

AZEVEDO-LOPES, Ronnielle de; RIBEIRO, William de Goes (orgs.). Utopia e normatividade curricular: abordagens pós-estruturalistas. Curitiba: CRV, 2021.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Trad. Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

BURBULES, Nicholas C. Uma gramática da diferença: algumas formas de repensar a diferença e a diversidade como tópicos educacionais. In: GARCIA, Regina Leite; MOREIRA, Antônio Flávio (org.). Currículo na contemporaneidade: incertezas e desafios. São Paulo: Cortez Editora, 2003, p. 159-188.

DERRIDA, Jacques. Limited Inc. Trad. de Constança Marcondes Cesar. Campinas, SP: Papirua, 1991.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. Trad. Maria Beatriz da Silva, Pedro Leite Lopes e Pérola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 2011.

DOSSE, François. História do Estruturalismo. Vol. 1 O campo do signo, 1945-1966. Trad. Álvaro Cabral; rev. técnica: Márcia Mansor D’Alessio. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

DUSCHATZKY, Silvia; SKLIAR, Carlos. O nome dos outros. Narrando a alteridade na cultura e na educação. In: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (orgs.). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Tradução de Semiramis Gorini da Veiga. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011, p. 119-138.

GIACAGLIA, Mirta. Universalismo e particularismo: emancipação e democracia na teoria do discurso. In: RODRIGUES, Léo Peixoto; MENDONÇA, Daniel (orgs.). Pós-estruturalismo e teoria do discurso: em torno de Ernesto Laclau. Porto alegre: EPIPUCRS, 2008, p. 71-88.

HALL, STUART. Da diáspora: Identidades e Mediações Culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG: Brasília: Representações UNESCO no Brasil, 2003.

IVENICKI, Ana. Multiculturalismo e formação de professores: dimensões, possibilidades e desafios na contemporaneidade. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.26, n.100, p. 1151-1167, jul./set. 2018.

IVENICKI, Ana. A escola e seus desafios na contemporaneidade. Ensaio: Avaliação, Política Pública e Educação. Rio de Janeiro, v.27, n.102, p. 1-8, jan./mar. 2019.

LACLAU, Ernesto A. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LACLAU, Ernesto A.; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e Estratégia Socialista. São Paulo: Intermeios; Brasília: CNPq, 2015a.

LACLAU, Ernesto A.; MOUFFE, Chantal. Pós-marxismo sem pedido de desculpas. In: LOPES, Alice Casimiro; MENDONÇA, Daniel de (orgs.). A teoria do discurso de Ernesto Laclau: ensaios críticos e entrevistas. São Paulo: Annablume, 2015b, p. 35-72.

LOPES, Alice Casimiro. Sobre a decisão política em terreno indecidível. In: LOPES, Alice Casimiro; SISCAR, Marcos (orgs.). Pensando a política com Derrida: responsabilidade, tradução, porvir. São Paulo: Cortez, 2018, p. 83-116.

LOPES, Alice Casimiro; MENDONÇA, Daniel de (orgs.). A teoria do discurso de Ernesto Laclau: ensaios críticos e entrevistas. São Paulo: Annablume, 2015.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Sobre a organização e os tradutores. In: LACLAU, Ernesto A. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011, p. 7-17.

MACEDO, Elizabeth. Currículo, Cultura e Diferença. In: LOPES, Alice Casimiro; ALBA, Alicia de (orgs.). Diálogos curriculares entre Brasil e México. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014, p. 83-104.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais/ projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Trad. Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2020.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. 5 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

NOBRE, Domingos. Entre a escola e a casa de reza: infância, cultura e linguagem na formação de professores indígenas guarani. Niterói: Eduff, 2016.

RIBEIRO, William de Goes. Remobilizando a pesquisa com o pós-estruturalismo: quando a diferença faz toda a diferença. Currículo sem Fronteiras, v. 16, n. 3, p. 542- 548, set./ dez., 2016.

RIBEIRO, William de Goes. Xe Rohenoi Eju Orendive: rimas, rappers e hibridização cultural de povos indígenas no Brasil. #Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia, Canoas, v. 9, n. 2, p. 1-20, 2020.

RIBEIRO, William de Goes. Pensar a utopia como efeito: alguns apontamentos sobre a normatividade curricular. In: AZEVEDO-LOPES, Ronnielle de; RIBEIRO, William de Goes (orgs.). Utopia e normatividade curricular: abordagens pós-estruturalistas. Curitiba: CRV, 2021, p. 203- 226.

RODRIGUES, Léo Peixoto; MENDONÇA, Daniel (orgs.). Pós-estruturalismo e teoria do discurso: em torno de Ernesto Laclau. Porto alegre: EPIPUCRS, 2008.

RUTHERFORD, Jonathan. The Third Space: Interview with Homi Bhabha. In: DERS (Hg). Identity: Community, Culture, Difference. London: Lawrence and Wishart, p. 207-221, 1990.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de Linguística geral. Trad. Antônio Chelini, José Paulo Paes, Izidoro Blikstein. 28 ed. São Paulo: Cultrix, 2012.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

18-10-2022

Como Citar

RIBEIRO, W. de G. . TEORIA DO DISCURSO E A QUESTÃO MULTICULTURAL: articulações (im) possíveis?. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 1–14, 2022. DOI: 10.15687/rec.v15i2.64556. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/64556. Acesso em: 19 jul. 2024.