AUTONOMIA E INOVAÇÃO

despadronizar, resistir e pensar outros modos de gestão curricular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14nEspecial.59548

Palavras-chave:

Autonomia Curricular, Práticas Curriculares Inovadoras, Aprendizagem Significativa

Resumo

O presente artigo procura investigar em que medida as práticas curriculares são inovadoras e proporcionam a melhoria dos processos de ensino-aprendizagem. Para isso, faremos uma incursão teórica sobre a autonomia e o papel do professor na gestão elástica e inovadora do currículo. Assim, privilegiámos a recolha bibliográfica e o questionário, que foram aplicados aos professores. Embora se reconheçam casos excepcionais de professores que, por ousadia própria, procuram adoptar novas formas de organizar e gerir o currículo, os resultados obtidos evidenciam algumas ambiguidades conceptuais, e permitem inferir que é ainda pouco significativo o número de professores que conhece, aproveita e constrói as suas próprias margens de autonomia, condicionando o desenvolvimento de práticas curriculares inovadoras e consequente melhoria dos processos de aprendizagem.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

António Luis Julião, Universidade Katyavala Bwila, Angola.

Mestre em Desenvolvimento Curricular e Inovação Educativa e investigador sobre questões curriculares.

Referências

ALBINO, Ângela. Autonomia curricular na voz docente: significações políticas. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 18, n. 3, pp. 1381-1402, jul./set, 2020. Disponível em https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/34674. Acesso em: 05.fev.2021.

ALVES, José; CABRAL, Ilídia. Uma outra escola é possível. Mudar as regras da gramática escola e os modos de trabalho pedagógico. Porto: Faculdade de Educação e Psicologia, 2017.

ALONSO, Maria. Inovação Curricular, Formação de Professores e melhoria da escola: uma abordagem reflexiva e reconstrutiva sobre a prática da inovação/formação. Tese de Doutoramento - Universidade do Minho, Braga, 1998.

AFONSO, Afonso. O papel do professor na (re)construção do currículo do 1º ciclo do ensino secundário em Angola: das intenções às práticas. Tese de doutoramento - Univer¬sidade do Minho, Braga, 2014.

ALMEIDA, Leandro; FREIRE, Teresa. Metodologia da investigação em Psicologia e Educação (5ª Ed.). Braga: Psiquilíbrios, 2008.

ANGOLA. Decreto-Lei n.º 17/16, de 7 de Outubro, alterado pela Lei n.º 32/20, de 12 de Agosto. Cria os principios e as bases gerais do Sistema de Educação e Ensino. Luanda: Assembleia Nacional, 2016..

ANGOLA. Lei n.º 276/19, de 6 de Setembro. Cria o Regime jurídico do subsistema de ensino geral. Luanda: Assembleia Nacional, 2019.

BARROSO, João. O século da escola, do mito à reforma de um mito.O século da escola, entre a utopia e a burocracia. Porto: Edições ASA, 2001.

CANÁRIO, Rui. A escola tem futuro? Das promessas às incertezas. Porto Alegre: Artmed, 2006.

CARBONELL, Jaume. A aventura de inovar: a mudança na escola. Tradução Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed, 2002.

DERRIDA, Jacques. Força de lei – o “fundamento místico da autoridade. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FLORES, Maria. Currículo, formação e desenvolvimento profissional. In: PACHECO, José A. (Org.) Políticas de integração curricular. Porto: Porto Editora, 2000. p.147-165

FULLAN, Michael. Forças de Mudança: A Sequela. Londres e Filadélfia: Falmer Press, 1999.

FULLAN, Michael. (1993). Change forces. Probing the depths of educational reform. Londres: Falmer Press.

JULIÃO, António. Práticas curriculares inovadoras e melhoria dos processos de ensino-aprendizagem no 2º Ciclo do Ensino Secundário Geral: Um estudo nos municípios de Benguela, Baía-Farta e Lobito. Dissertação de Mestrado - Univer¬sidade Katyavala Bwila, Benguela-Angola, 2021.

JULIÃO, António. Apartheid curricular nas práticas e processos escolares em Angola: uma reflexão crítica. In: HONORATO, Rafael Ferreira de Souza; SANTOS, Edilene Silva (Orgs.). Políticas curriculares (inter)nacionais e seus (trans)bordamentos. Editora Ayvu. Rio de Janeiro, 2020. p. 79-102

JULIÃO, António. Compreensão do Currículo escolar em Angola: Realidades, tendências e desafios rumo à qualidade educativa. Alemanha: Novas Edições Académicas, 2019.

LOPES, Alice. Por um currículo sem fundamentos. Linhas Criticas, Brasília, DF. v. 21, n.º 45, pp. 445-466, mai./ago, 2015. Disponível em https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/4581. Acesso em: 28.jan.2021.

MORGADO, José. O estudo de caso na investigação em educação. Lisboa: De Facto Editores, 2012.

MORGADO, J. Processos e práticas de (re)construção da autonomia curricular. Tese de Doutoramento - Universidade do Minho. (policopiado), 2003.

PACHECO, José. Currículo: Teoria e Práxis (3ª Ed.). Portugal: Porto Editora, 2001.

ROLDÃO, Maria. Gestão flexível do currículo: fundamentos e práticas. Lisboa: Ministério da Educação, Departamento da Educação Básica, 1999.

ROLDÃO, Maria. Prefácio. In: JULIÃO, Antonio L. Compreensão do Currículo Escolar em Angola: Realidades, tendências e desafios rumo à qualidade educativa. Alemanha: Novas Edições Académicas, 2019.

Downloads

Publicado

30-12-2021

Como Citar

JULIÃO, A. L. . AUTONOMIA E INOVAÇÃO: despadronizar, resistir e pensar outros modos de gestão curricular. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. Especial, p. 1–14, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14nEspecial.59548. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/59548. Acesso em: 3 dez. 2022.