AUTONOMIA E INOVAÇÃO CURRICULAR

resistir, repensar e atravessar margens

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v16i1.65494

Palavras-chave:

Autonomia curricular, Inovação, Resistência colectiva, Aprendizagem significativa

Resumo

O texto focaliza o debate sobre teorias e políticas educativas, argumentando que intentam sobre o controlo dos pensamentos e das práticas que se desenvolvem nas escolas, numa espécie de colonização epistemológica e ontológica dos sujeitos. Propomos, a partir da discussão teórica fundada na revisão bibliográfica interpretativa, ancorada nos pressupostos curriculares críticos e pós-críticos e na nossa prática pedagógica, reflectir sobre a possibilidade de (re)construção do sujeito a partir da criação de espaços para ressignificações e problematizações, possibilitando outras formas de luta para a construção da autonomia, ocasionando uma educação com laivos emancipatórios e transformadores. Defendemos que, a tentativa de fechamento curricular, supondo a possibilidade de controlo, tende a perder força face às demandas contextuais e ontológicas, o que reitera a defesa da necessidade de resistência e questionamento inovadores face aos ditames exógenos por parte dos professores e de um currículo com insígnia da diversidade, cuja significação tenha força para extrapolar margens e ir à procura de uma ilha ainda desconhecida. O texto espera contribuir, estimulando reflexões mais aventuradas, reafirmando a hegemonia da escola, como verdadeiro espaço de ressignificações e centro de decisão das regras do jogo curricular..

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

António Luis Julião, Instituto Superior Politécnico Católico de Benguela, Angola. 

Mestrado em Desenvolvimento Curricular e Inovação Educativa pela Universidade Katyavala Bwila-Angola e docente do Instituto Superior Politécnico Católico de Benguela, Angola. 

Referências

ANGOLA. Decreto-Lei n.º 32/20, de 12 de Agosto. Fixa os princípios e as bases gerais do sistema de educação e ensino. Luanda. Parlamento Nacional, 2020 (Diário da República, 12 de agosto de 2020).

ANGOLA. Lei n.º 276/19, de 6 de Setembro. Fixa o Regime jurídico do subsistema de ensino geral. Luanda. Parlamento Nacional, 2019 (Diário da República, 8 Outubro de 2019).

ALBINO, Ângela. Autonomia curricular na voz docente: significações políticas. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 18, n. 3, pp. 1381-1402, jul./set, 2020. Disponível em: http://dx.doi.org/10.23925/1809-3876.2020v18i3p1381-1402. Acesso em: 27 nov. 2022.

ALVES, José; CABRAL, Ilídia. Uma outra escola é possível. Mudar as regras da gramática escola e os modos de trabalho pedagógico. Porto: Faculdade de Educação e Psicologia. Em Linha, 31 de Outubro de 2017.

CORAZZA, Sandra Mara. Pesquisar o currículo como acontecimento: em V exemplos. In: 27.ª REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 27., 2004, Caxambu. Anais eletrônicos. Caxambu: ANPED, 2004. Disponível em: https://www.anped.org.br/biblioteca/item/pesquisar-ocurriculo-como-acontecimento-em-v-exemplos. Acesso em: 23 set. 2022.

CONTRERAS, José. A autonomia da Classe Docente. Porto: Porto Editora, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários a prática educativa. Paulo Freire. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FULLAN, Michel.; HARGREAVES, Andy. Por que é que vale a pena lutar? - O trabalho de equipa na escola. Porto: Porto Editora, 2001.

GABRIEL, Andrea dos Santos.; SILVA, Sandra Kretli. De repente, uma pandemia: criação curricular e resistências coletivas como afirmação da vida. Revista Espaço do Currículo, v. 15, n. 3, p. 1-13, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2022v15n3.64595. Acesso em: 05 jan. 2023.

JULIÃO, António Luís. Autonomia curricular do professor em Angola: limites, desafios e possibilidades. Revista Contemporânea de Educação, v. 14, n. 29, jan/abr. 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.20500/rce.v14i29.22155. Acesso em: 10 jan. 2023.

LOPES, Alice. Por um currículo sem fundamentos. Linhas Criticas, Brasília, DF. v. 21, n.º 45, pp. 445-466, mai./ago, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.26512/lc.v21i45.4581. Acesso em: 29 set. 2022.

MOREIRA, António Flávio. Renovando a escola e o currículo. In MORGADO, José Carlos; QUITEMBO, Alberto Domingo (Orgs.). Currículo, Avaliação e Inovação em Angola: Perspectivas e Desafios. Benguela, Angola: Ondjiris Editores, 2014.

MELO, José Wilson Rodrigues. Direitos Humanos e Currículo Escolar: primeiras aproximações ao objeto de estudo. Revista Espaço do Currículo, v. 15, n. 1, p. 1-12, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2022v15n1.60918. Acesso em: 23 set. 2022

NIETZSCHE, Friedrich. Humano demasiado humano: um livro para espíritos livres. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

PACHECO, José Auguto. Currículo: Teoria e Práxis (3ª Ed.). Portugal: Porto Editora, 2001.

PERRENOUD, Philipe. Aprender a negociar a mudança em educação: Novas estratégias de inovação. Porto: Edições ASA, 2002

PARAÍSO, Marlucy Alves. Diferença no currículo. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 1, p. 587-604, maio/ago. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/MnrBfYmbrZ4zfVqD3C5qkYp/abstract/?lang=pt. Acesso em: 27 out. 2022.

ROLDÃO, Maria do Céu. Estudos de Práticas de Gestão do Currículo. Lisboa: Universidade Católica Editora, 2005.

SANTOS, Cláudia parecida. Processos de Criação em Currículos: “O Possível precisa Ser Inventado. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 20, n. 4, p. 1729-1749, out./dez. 2022. Disponível em: http://dx.doi.org/10.23925/1809-3876.2022v20i4p1729-1749. Acesso em: 07 jan. 2023.

SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

SEBARROJA, Jaume Carbonnel. A aventura de Inovar: A mudança na escola. Porto: Porto Editora, 2001.

SARAMAGO, José. O conto da ilha desconhecida. Porto: Porto Editora, 1998.

SERRA. Orientação Curricular de Educação Infantil e Ensino Fundamental “Articulando Saberes, Tecendo Diálogos”. Serra: Secretaria de Educação, 2008.

UNESCO, Relatório Mundial. Investir na diversidade cultural e no diálogo intercultural. Direito Humano à Educação. 2009. Disponível em: http://www.dhescbrasil.org.br/index.php. Acesso em: 20/08/2022.

Downloads

Publicado

03-05-2023

Como Citar

JULIÃO, A. L. AUTONOMIA E INOVAÇÃO CURRICULAR: resistir, repensar e atravessar margens. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 1–11, 2023. DOI: 10.15687/rec.v16i1.65494. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/65494. Acesso em: 23 jul. 2024.