CURRÍCULO, TÁTICAS, RESISTÊNCIAS

maneiras de fazer de estudantes egressos negros em tempos de regulação autoritária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.53947

Palavras-chave:

Narrativas, Racismo, Táticas

Resumo

O presente artigo propõe a pesquisa de táticas (CERTEAU, 1994) utilizadas por estudantes egressos negros da periferia do Rio de Janeiro que abarcam a resistência diária às regulações autoritárias decorrentes do racismo estrutural que marca a sociedade brasileira (ALMEIDA, 2019). Tais estudantes elencam suas trajetórias para concluir a educação básica, o acesso ao ensino superior, a mobilidade social oportunizada pela formação, apesar do contexto autoritário a que são submetidos. Neste texto, a reflexão sobre o currículo e as táticas se faz a partir do processo de escolarização de três praticantespensantes, que foram aprovados no exame vestibular da Universidade Federal Fluminense (UFF) para o ano de 2004, destacando as maneiras de fazer desses sujeitos que se inscrevem como resistências aos entraves vivenciados. O repertório de narrativas oportunizado nos conduziu à identificação de três categorias de táticas: (1) a escolha acadêmica e profissional como tática de empregabilidade, (2) o acesso a ferramentas e a tessitura de redes de apoio como tática de superação das desvantagens sociais e econômicas produzidas pelo racismo estrutural e (3) a desnaturalização de práticas racistas e a identificação do racismo e do preconceito como tática de referencialidade para as lutas atuais contra processos regulatórios. Adotamos como caminho metodológico a pesquisa narrativa. Como conclusões, destacamos que o compartilhamento de narrativas de enfrentamento do racismo são potentes instrumentos para as reflexões acerca das manifestações singulares do racismo na vida dos interlocutores, inclusive, das nossas próprias vidas enquanto autoras deste artigo. Essas reflexões amplificam modos de resistência para a luta antirracista.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Patrícia Raquel Baroni, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutora em Educação formada pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo e Mestre em Educação formada no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente, Professora Adjunta do Departamento de Didática da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 

Deise Guilhermina da Conceição, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutora e mestre em Educação formada pela Universidade Federal Fluminense , linha de pesquisa "Negro e Educação". Professora da Rede Municipal de Educação de Duque de Caxias e da Rede Municipal de Educação do Rio de Janeiro. 

Referências

ALMEIDA, Silvio de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2019.

ALVES, N. Sobre movimentos das pesquisas nos/dos/com os cotidianos. In: ALVES, Nilda: OLIVEIRA, Inês Barbosa de (Org.) Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Petrópolis: DP et alii, 2008.

BOURDIEU, Pierre. Escritos da Educação. Org.: NOGUEIRA, Maria Alice e CATANI, Afrânio. Editora: Vozes, Ed. 9, 2001.

CANÁRIO, R. A aprendizagem ao longo da vida. Análise crítica de um conceito e de uma política. In: R. Canário (Org.). Formação e situações de trabalho. Porto: Porto, 2003.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CONCEIÇÃO. Deise Guilhermina da. Trajetória de Estudantes Negros que ingressaram na UFF em 2004 / Deise Guilhermina da Conceição; Iolanda de Oliveira, orientadora. Niterói, 2018. 198 f.

D’ADESKY, J. Pluralismo étnico e multi-culturalismo: racismo e anti-racismos no Brasil. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.

DETIENNE, M. & VERNANT, J. P. Métis: As astúcias da inteligência. São Paulo: Odysseus Editora, 2008.

EVARISTO, Conceição. Da grafia-desenho de minha mãe, um dos lugares de nascimento de minha escrita. In: Alexandre, Marcos A. (org.) Representações performáticas brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte: Mazza Edições, p. 16-21, 2007.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. Revista Scripta, Belo Horizonte, v. 13, n. 25, p. 17-31, 2º sem. 2009.

FERNANDES, Florestan. A integração do Negro na sociedade de classes. Dominus Editora: São Paulo, 1965.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Cia. das letras, 1989.

GOMES, Joaquim B. Barbosa. Ação afirmativa e princípio constitucional da igualdade: o Direito como instrumento de transformação social. A experiência dos EUA. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

HASENBALG, Carlos. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2009. www.ibge.gov.br

LAHIRE, Bernard. Homem plural: os determinantes da ação. Petrópolis: Vozes, 2002.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

MATURANA, H. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Currículos e pesquisas com os cotidianos: o caráter emancipatório dos currículos ‘pensadospraticados’ pelos ‘praticantespensantes’ dos cotidianos das escolas. In: Carlos Eduardo Ferraço e Janete Magalhães Carvalho (orgs.). Currículos, pesquisas, conhecimentos e produção de subjetividades. Petrópolis: DP et Alli, 2012.

OLIVEIRA, Iolanda (org.). Cor e Magistério. Rio de Janeiro: Eduff, 2006.

_______. Negritude e Universidade: evidenciando questões relacionadas ao ingresso e projetos curriculares. Niterói: Alternativa, 2015.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 6.ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização – do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SILVA, A. C. Branqueamento e branquitude: conceitos básicos na formação da alteridade. In: NASCIMENTO, A. D.; HRTKOWSKI, T. (Orgs.). Memória e formação de professores. Salvador: EDUFBA, 2007.

Silva, Renata Lopes. Milton Santos: pensamento global e educação/ Renata Lopes da Silva; Maria Isabel Moura Nascimento, orientadora. Ponta Grossa, 2009. 130 f.

SKIDMORE, Thomas E. Preto no Branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

VICTORINO, Carolina Santos. Racismo institucional: o ingresso de negros e negras no universo acadêmico e o impacto em sua saúde mental / Carolina Santos Victorino; Wanderson Fernandes de Souza, orientador. Seropédica, 2018. 67 f.

Downloads

Publicado

2020-11-09

Como Citar

BARONI, P. R.; CONCEIÇÃO, D. G. da. CURRÍCULO, TÁTICAS, RESISTÊNCIAS: maneiras de fazer de estudantes egressos negros em tempos de regulação autoritária. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 3, p. 446–462, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.53947. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/53947. Acesso em: 7 dez. 2021.