CONTOS DE FADAS CONTEMPORÂNEOS E ROTEIROS PERFORMÁTICOS DE GÊNERO

possibilidades de re-existência à ofensiva antigênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.54226

Palavras-chave:

Contos de fadas, Currículo, Gênero, Ofensiva antigênero, Resistência

Resumo

Este artigo analisa dois contos de fadas contemporâneos para problematizar as prescrições de feminilidades presentes nas histórias clássicas dos contos de fadas e nos discursos reacionários que circulam na atualidade. Argumentamos, a partir do conceito de performatividade de Judith Butler, que, por um lado, a ofensiva antigênero prescreve que a mulher deve ser princesa e coloca em circulação um discurso reacionário que produz modos autorizados de se performar o gênero em conformidade com os contos de fadas tradicionais. Por outro lado, como forma de resistência, alguns contos de fadas contemporâneos tensionam as normas de gênero e acionam o discurso multicultural para re-existirem ao discurso reacionário ao produzirem modos outros de ser princesa. O referencial teórico se fundamentou na concepção de que o currículo é cultural, é um discurso que produz, autoriza, cria saberes e se desdobra em diferentes pedagogias. Nesse sentido, as narrativas dos contos de fadas, tão presentes no currículo endereçado a crianças, compõem um certo roteiro com relação às aprendizagens de gênero. Elas ensinam, há muito, normas para meninas e meninos, prescrevendo feminilidades e masculinidades tidas como normais. Mas, também podem ser potentes instrumentos para problematizar essas mesmas normas. Nas histórias analisadas é possível perceber a reivindicação de outros “atos performáticos de gênero” (BUTLER, 2019) em relação aos roteiros vividos pela princesa. A trajetória metodológica se deu por meio da análise de discurso de inspiração foucaultiana e mostrou que as narrativas fabricam modos outros de apresentar os comportamentos da princesa e pluralidade na caracterização dos corpos das personagens.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Beatriz Vasconcelos, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil.

Mestranda pelo programa de Pós-Graduação em Educação da FaE/UFMG. Pós-graduada em Práticas de Alfabetização e Letramento pela UFSJ. Graduada em pedagogia pela FaE/UEMG, Campus Belo Horizonte. Integrante do GECC (Grupo de Estudos e Pesquisas em Currículos e Culturas da FaE/UFMG). Professora no Ensino Fundamental.

Paula Myrrha Ferreira, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil.

Mestranda pelo programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação (FaE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e graduada em pedagogia pela mesma instituição. Integrante do GECC (Grupo de Estudos e Pesquisas em Currículos e Culturas da FaE/UFMG). Professora na Educação Infantil.

 

Shirlei Rezende Sales, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil.

Pós doutora pela University of Illinois at Urbana-Champaign, USA. Professora do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minhas Gerais, Brasil. Doutora em Educação pela mesma instituição. Membro do Observatório da Juventude da UFMG e do Ensino Médio em Pesquisa.

Maria Carolina Caldeira, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil.

Doutora e Mestre em Educação (UFMG). Professora do Centro Pedagógico da Escola de Educação Básica e Profissional da UFMG e do Programa de Pós-Graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social. Membro do grupo de Estudos e Pesquisa em Currículos e Culturas (GECC/FaE/UFMG).

Referências

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz. Como identificar um reacionário. Saiba Mais Agência de Reportagem, [s. l.], 02 setembro 2018. Opinião, on-line. Disponível em: <https://www.saibamais.jor.br/como-identificar-um-reacionario/>. Acesso em: 16 out. 2019.

ARGÜELLO, Zandra Elisa. Dialogando com crianças sobre gênero através da literatura infantil. 2005. 193 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

ASPIS, Renata. Minorias e Territórios: Ocupações. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v. 19, p. 63–74, jan./mar., 2017.

BALIEIRO, Fernando de Figueiredo. “Não se meta com meus filhos”: a construção do pânico moral da criança sob ameaça. Cadernos pagu, Campinas, n. 53, [n. p.] 2018.

BECK, D. B.; GUIZO, B. S. Estudos culturais e estudos de gênero: proposições e entrelaces às pesquisas educacionais. HOLOS, ano 29, v. 4, p. 172-182, 2013.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de lei no 2578, de 2020. Determina que tanto o sexo biológico como as características sexuais primárias e cromossômicas definem o gênero do indivíduo no Brasil. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2252276&fichaAmigavel=nao>. Acesso em: 16 jun. 2020.

BUTLER, Judith. Atos performáticos e a formação dos gêneros: um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 213-230

______. Regulações de Gênero. Cadernos pagu, Campinas, v. 42, p. 249-274, [n. p.], 1º sem. 2014.

______. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 16 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CALDEIRA, Maria Carolina da Silva. Dispositivos da infantilidade e da antecipação da alfabetização no currículo do 1º ano do ensino fundamental: conflitos, encontros, acordos e disputas na formação das crianças de seis anos. 2016. 263 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

CORAZZA, Sandra. O que quer um currículo? Pesquisas pós-críticas em Educação. Petrópolis: Vozes, 2001.

DARNTON, Robert. O grande massacre de gatos e outros episódios da história cultural francesa. Tradução de Sonia Coutinho. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

FREITAS, Daniela Amaral da Silva. Literatura infantil dos kits de literatura afro-brasileira da PBH: um currículo para ressignificação das relações étnico-raciais? 2014. 280 f. Tese – (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

______. Relações de gênero nos kits de literatura afro-brasileira distribuídos pela Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte: razão e emoção para regular corpos na literatura infantil. In: PARAÍSO, Marlucy Alves; CALDEIRA, Maria Carolina da Silva (Org.). Pesquisas sobre currículos, gêneros e sexualidades. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2018. p. 115-137.

GIOVANNETTI, Carolina. Documentos curriculares em contexto de avanço reacionário: os silêncios das histórias das mulheres e as relações de gênero no Ensino Médio brasileiro. 2020. 209 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020.

GIROUX, Henri A. Praticando Estudos Culturais nas faculdades de educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.) Alienígenas na sala de aula. 11. Ed. Petrópolis: Vozes, 2013. Coleção Estudos Culturais em Educação, p. 83-100.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. A invenção da “ideologia de gênero”: a emergência de um cenário político-discursivo e a elaboração de uma retórica reacionária antigênero. Psicologia Política, São Paulo, v. 18, n. 43, p. 449-502, set./dez., 2018.

JUVINO, Analice da Silva. A relação entre o conto de fadas tradicional e o moderno. 2010. 47 f. Monografia (Licenciatura em Letras) – Centro de Humanidades, Universidade Estadual da Paraíba, Guarabira, 2010.

KEMP, Anna. A pior princesa do mundo. Ilustrações de Sarah Ogilvie. Tradução de Marília Garcia. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2019.

LOURO, Guacira Lopes. Currículo, gênero e sexualidade. O “normal”, o “diferente” e o “excêntrico” In: ______; NECKEL, Jane Felipe; GOELLNER, Silvana Vilodre. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 43-53.

______. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2003.

______. Pedagogias da sexualidade. In: ______. (Org.) O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. – 4. Ed. – Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018. p. 7-42.

MACEDO, Elizabeth. As demandas conservadoras do movimento Escola Sem Partido e a Base Nacional Curricular Comum. Educação & Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 507-524, 2017. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/es/v38n139/1678-4626-es-38-139-00507.pdf>. Acesso em: 04 set. 2020.

______. Repolitizar o social e tomar de volta a liberdade. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 34, e212010, 2018. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0102-46982018000100302&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 04 set. 2020.

MACHADO, Teca. A revolução da Rapunzel.Ilustrações de Lorena Giostrini. 1ª ed. São Paulo: Plan Internacional, 2018. Coleção A Revolução das princesas.

MIGUEL, Luis Felipe. Da “doutrinação marxista” à “ideologia de gênero” – Escola Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 07, n. 15, p. 590-621, 2016.

PARAÍSO, Marlucy Alves. A ciranda do currículo com gênero, poder e resistência. Currículo sem Fronteiras, v. 16, n. 3, p. 388-415, set./dez., 2016.

______. Currículo e as contribuições dos Estudos Culturais. Presença Pedagógica. Belo Horizonte, v. 10, n. 55, p. 108-125, jan./fev., 2004.

______. Fazer do caos uma estrela dançarina no currículo: invenção política com gênero e sexualidade em tempos do slogan “ideologia de gênero”. In: ______; CALDEIRA, Maria Carolina da Silva (Org.). Pesquisas sobre currículos, gêneros e sexualidades. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2018. p. 23- 52.

______. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In: ______; MEYER, Dagmar Estermann (Org.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014. p. 25-47.

______. O currículo entre o que fizeram e o que queremos fazer de nós mesmos: efeitos das disputas entre conhecimentos e opiniões. Revista e-curriculum, São Paulo, v. 17, n. 4, p. 1414-1435, out./dez., 2019.

______. Pesquisas sobre Currículos e Culturas: temas, embates, problemas e possiblidades. 1ª ed. Curitiba: Editora CRV. 2010. 171p.

______; CALDEIRA, Maria Carolina da Silva (orgs.). Pesquisas sobre currículos, gêneros e sexualidades. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2018.

PENNA, Fernando. O discurso reacionário de uma “escola sem partido”. In: GALLEGO, Esther Solano (Org.). O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

ROSA, Rovena. [sem título]. 2017. Disponível em: https://fotospublicas.com/protesto-contra-e-a-favor-de-filosofa-judith-butler-em-sp/. Acesso em: 20 jun. 2020.

SALES, Shirlei Rezende. Etnografia + netnografia + análise do discurso: articulações metodológicas para pesquisar em Educação. In: PARAÍSO, Marlucy Paraíso; MEYER, Dagmar Estermann (Org.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014. p. 113-134.

______. Orkut.com.escol@: currículos e ciborguização juvenil. 2010. 230 f. Tese (Doutorado em) –Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

SALIH, Sara. Judith Butler e a teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

SILVA, Ivanderson Pereira da. Em busca de significados para a expressão “ideologia de gênero”. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 34, p. 1-30, 2018.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

XAVIER FILHA, Constantina. Era uma vez uma princesa e um príncipe...: representações de ações de gênero nas narra gênero nas narrativas de crianças. Estudos Feministas, Florianópolis, vol. 19, n. 2, p. 591-603, maio-ago. 2011.

Downloads

Publicado

2020-10-19

Como Citar

VASCONCELOS, M. B.; MYRRHA FERREIRA, P. .; REZENDE SALES, S.; CALDEIRA, M. C. CONTOS DE FADAS CONTEMPORÂNEOS E ROTEIROS PERFORMÁTICOS DE GÊNERO: possibilidades de re-existência à ofensiva antigênero. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 3, p. 389–407, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.54226. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/54226. Acesso em: 7 dez. 2021.