CARTOGRAFANDO CURRÍCULOS

Crianças e suas fabulações audiovisuais cotidianas

Autores

  • Rosilene Lopes de Pinho Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil.
  • Maritza Maciel Castrillon Maldonado Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6574-4463

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v14i3.60715

Palavras-chave:

Currículo, Criança, Cotidiano

Resumo

Este artigo é um convite a pensar currículos outros, a pensar o currículo como potência, como resistência, como fabulações que movimentam o ambiente escolar. Objetiva-se problematizar as relações entre o espaçotempo escolar, o currículo e crianças, que na imanência de suas infâncias, de suas afecções com o mundo virtual, criam narrativas audiovisuais no cotidiano escolar entre linhas de fugas e escapes. Como inspiração metodológica, utilizamos a cartografia para adentrar o espaçotempo de uma escola pública estadual do município de Cáceres-MT, perceber a relação entre escola, currículo, crianças e infâncias e fazer ressoar as .bonitezas, fabulações e criações curriculares de seus praticantespensantes. Apresentamos o resultado parcial de uma pesquisa de mestrado que acompanhou movimentos e encontros que acontecem nos espaçostempos escolares, que vão muito além de normatizações, na medida em que mostram linhas de escapes, resistências, brechas e fugas que fazem a escola, que criam currículos rizomáticos, currículos pensadospraticados com o cotidiano, currículos criados pelas crianças que produzem efeitos e singularidades outros

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rosilene Lopes de Pinho, Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil.

Licenciada em Pedagogia pela Universidade do Estado de Mato Grosso e Mestranda em Educação pela mesma instituição.

Maritza Maciel Castrillon Maldonado, Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense e Professora da Universidade do Estado de Mato Grosso.

Referências

ALVES, Nilda. Redes educativas ‘dentrofora’ das escolas, exemplificadas pela formação de professores. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1195-1212, out/dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v31n113/08.pdf Acessado em 28- 11- 2018.

BROUGÈRE, G. A criança e a cultura lúdica. In: KISHIMOTO, T. M. O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira, 1998.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CHASSOT, Attico. Educação Consciência. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2007

CORAZZA, Sandra. Era uma vez... Quer que conte outra vez? As gentes pequenas e o indivíduo. In: GARCIA, Regina Leite (Org.). Crianças, essas conhecidas tão desconhecidas. Rio de Janeiro: Dp&a, 2002. p. 31-52. (O sentido da escola).

DELEUZE, G. O que é a filosofia? Tradução de: Bento Prado Júnior e Alberto Alonso Munoz. Rio de Janeiro: Coleção TRANS. Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. São Paulo: Editora 34, 1997.

DELEUZE, Gilles. O ato de Criação. Palestra de 1987 Edição brasileira: Folha de São Paulo. trad: José Marcos Macedo, 1999.

DELEUZE, Gilles. Francis Bacon: lógica da sensação. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

DELEUZE, G; PARNET, C. Dialogues. Paris: Flammarion. 1977.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. Tradução de E. A. Ribeiro. São Paulo: Editora Escuta, 1998.

DELEUZE, Gilles. GUATARRI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 2. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. São Paulo: 34, 1995.

DELEUZE, Gilles & GUATARRI, Félix. O que é filosofia? Rio de Janeiro, Ed. 34, 1997.

DELEUZE, G. A dobra: Leibniz e o barroco. Campinas: Papirus, 1991

DILSON, P. Soneto de aprendizado. Natal, RN, Recanto das letras, 2012.

FERNANDES, Adriana Hoffmann. Infância e Cultura: o que narram as crianças na contemporaneidade? Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

GALLO, Silvio. A orquídea e a Vespa: Transversalidade e currículo rizomático. In PEREIRA, Maria Zuleide da Costa; GONSALVES, Elisa Pereira; CARVALHO, Maria Eulina Pessoa. Currículo e contemporaneidade: questões emergentes. Campinas, Editora: Alínea, 2011.

JOBIM E SOUZA, Solange. Infância e linguagem. Campinas, SP, Papirus. 1994

LARROSA, Jorge. Elogio da escola. Belo Horizonte. Autêntica. 2017

LARROSA, Jorge. Esperando não se sabe o quê. 1 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

MACEDO, Roberto Sidnei. Atos de currículo e Formação: O príncipe provocado. In: CURRÍCULOS: Problematização em práticas e políticas. Revista Teias v. 13 • n. 27 • 67-74 • jan./abr. 2012

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública Belo Horizonte Autêntica Editora. 2013

OLIVEIRA, Inês Barbosa. O Currículo como criação cotidiana. Petrópolis: DP et Alli, 2012ª

OLIVEIRA JR, Wenceslao Machado de. Videos, Resistencias Y Geografías Menores Lenguajes Y Formas Contemporáneas de la Resistencia Olho. Faculdade De Educação/Unicamp. Terra Livre São Paulo/SP Ano 26, V.1, n. 34 p. 161-176 Jan-Jun/2010. Disponível em: https://www.agb.org.br/publicacoes/index.php/terralivre/article/viewFile/316/299

PRETTO, Nelson de Luca. Reflexões: ativismo, redes sociais e educação. Salvador: Edufba, 2013.

SANTOS, Edméa. Pesquisa – formação na cibercultura. 1ª Ed. Santo Tirso- Portugal: Printhaus, 2014

SOARES, Maria da Conceição Silva. NOLASCO, Leonardo-Silva. Diferença, Identidade e Ficção: tecer currículos em redes, narrar os cotidianos e inventar o presente. In: Currículo sem Fronteiras, v. 15, n. 3, p. 588-598, set./dez. 2015.

Downloads

Publicado

22-12-2021

Como Citar

DE PINHO, R. L.; MALDONADO, M. M. C. CARTOGRAFANDO CURRÍCULOS: Crianças e suas fabulações audiovisuais cotidianas. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 3, p. 1–16, 2021. DOI: 10.15687/rec.v14i3.60715. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/60715. Acesso em: 17 abr. 2024.