ICONOGRAFIA DO TEXTO POLÍTICO-CURRICULAR

produções imagético-verbais e fetiches

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v16i1.64420

Palavras-chave:

Políticas, Currículo, Imagético-verbal

Resumo

O artigo em pauta trata de como políticas de currículo e formação utilizam-se de textos imagético-verbais, apresentando-os como compreensões e orientações deônticas, configuradas, não raro, como fetiches. A partir de uma perspectiva crítico-cultural, o presente escrito compreende os processos de fetichização a partir de espaços/tempos/sentidos nos quais a produção de fetiches se realiza de forma culturalmente generativa (MACEDO, 2021). Na sua especificidade, opta em compreender a fetichização nas/das políticas de currículo e formação, vinculando-a a uma abordagem crítica aos movimentos de simplificação totalizante recorrentes nessas políticas, a partir dos textos imagético-verbais que veiculam, com significativas e preocupantes ressonâncias essencialistas nas instituições educacionais. Nesses termos, os argumentos produzidos por esse artigo direcionam-se no sentido de analisar como os fetiches presentes no texto curricular-normativo e nos seus entretecimentos “imagético-verbais” (BORGES, 2001; GOMES, 2004) se configuram, bem como potencializam essencialismos e “idolatrias”. (PINAR, 2014; MACEDO, 2021).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Roberto Sidnei Macedo, Universidade Federal da Bahia, Brasil.

Doutor em Ciências da Educação pela Universidade de Paris 8 - Vincennes à Saint-Denis e Professor Titular da Universidade Federal da Bahia.

Referências

ATLAN, Henri. Com razão e sem ela. Intercrítica da ciência e do mito. Tradução de Fátima Gaspar e Carlos Gaspar. Lisboa: Instituto Piaget, 1993.

BRASIL Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares para Formação Inicial e Continuada em nível superior de Profissionais do Magistério para a Educação Básica - (BNC-Formação). Resolução CNE 02/2019. Brasília, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file Acesso: agosto de 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular - (BNCC). Brasília, 2018a. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio Acesso: agosto de 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa de Apoio à Implementação da Base Nacional Comum Curricular - (ProBNCC). Portaria n. 331, de 5 de abril de 2018. Brasília, 2018b. Disponível em: phpbJEN9S_5acba4bfbdff8.pdf Acesso: agosto de 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Logo BNCC. Brasília: 2018c: Figura 1 – Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ Acesso: agosto de 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Logo BNCC. Brassília: 2018d: Figura 2 – Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ Acesso em: de 2021.

BRASIL Ministério da Educação. Logo BNCC. Brasília: 2018e: Figura 3: Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ Acesso: agosto de 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Logo BNCC. Brasília: 2018f: Figura 4. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso: julho de 2022.

BRASIL, MInistério da Educação. Logo BNCC. Brasília: 2019a: Figura 5. Disponível em: https://movimentopelabase.org.br/acontece/bncc-em-profundidade/ Acesso: julho de 2022.

Ministério da Educação. Logo BNCC. Brasília: 2019b: Figura 6. Figura 6. Disponível em: https://avate.pr3.uerj.br/course/index.php?categoryid=21. Acesso em julho de 2022.

FREITAS, Luiz Carlos. Neotecnicismo e formação do educador. In: Alves, Nilda. (Org.) Formação de professores: pensar e fazer. São Paulo: Cortez, 2002, p 89-102.

GARFINKEL, Harold. Studies in ethomethodologie. New Jersey: Prentice Hall, 1976.

MACEDO, Roberto Sidnei. Atos de currículo e autonomia pedagógica. Petrópolis: Vozes, 2013.

MACEDO, Roberto Sidnei. Currículo: campo, conceito e pesquisa. Petrópolis: Vozes, 7ª Edição, 2ª reimpressão, 2021.

MACEDO, Roberto Sidnei. A Teoria Etnoconstitutiva de Currículo: teoria-ação e sistema curricular formacional. Curitiba: CRV, 2016.

MACEDO, Roberto Sidnei. Políticas de Currículo, formação e Fetiche: a propósito de príncipes, simplificações e idolatrias. Revista Currículo sem Fronteiras. Vol. 21, n. 3, set./dez. 2021, p. 1028-1042

MOREIRA; Antônio Flávio; SILVA, Tomaz T. (Org.) O currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis: Vozes, 1995.

MORIN, Edgar. Introduction à la pensée complexe. Communication et complexité. Paris: ESF Éditeur, 1992.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre, Artmed, 2000.

PINAR, William F. Quem é William Pinar? Entrevistas com Maria Luisa Süssekind. Petrópolis: DP et Alii, 2014.

RAMOS, Marise. Pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2002.

SILVA, Tomaz Tadeu. da. O Currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

TOMASI, Antônio. Da competência à qualificação. Campinas: Papirus, 2004.

Downloads

Publicado

31-01-2023

Como Citar

MACEDO, R. S. ICONOGRAFIA DO TEXTO POLÍTICO-CURRICULAR: produções imagético-verbais e fetiches. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 1–9, 2023. DOI: 10.15687/rec.v16i1.64420. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/64420. Acesso em: 17 jun. 2024.