POLÍTICAS DE CURRÍCULO PARA LÍNGUA PORTUGUESA

novos e multiletramentos para sujeitos impossíveis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v17i1.69702

Palavras-chave:

Teoria do Discurso, Hegemonia, Sujeito, BNCC, Língua Portuguesa

Resumo

O artigo põe em plano a noção de hegemonia, reconceptualizada por Laclau e Mouffe, defendendo que ela permite o entendimento de propostas prescritivas e universalistas na política curricular. Volta-se ao foco regulador da BNCC pondo em discussão as disputas por significação disparadas pela reiteração dos termos novos e multiletramentos na Língua Portuguesa nos Anos Finais do Ensino Fundamental. De início, é justificada a abordagem discursiva e uma segunda seção busca demarcar as noções de hegemonia, antagonismo e tradução. Na terceira seção são problematizadas as tentativas de significar os termos novos e multiletramentos na BNCC, des-sedimentando jogos discursivos pelos quais a regulação e o controle sobre o que é conhecimento e sujeito se insinuam como necessários. Conclusivamente, sinaliza-se para a leitura de que na política curricular para LP na BNCC são hegemonizados sentidos para novos e multiletramentos baseados na ficção de que seria possível antever um futuro (compreendido no contexto da proposta como incerto) e, então, preparar o sujeito. Pondera não bastar somente apontar para a assimetria de tal proposta em si, sendo importante tensionar a perspectiva de que é na relação com tais sentidos que a escola tende a ser tomada como deficitária e sem qualidade. Assim, defende-se que a BNCC para LP projeta a leitura de que a escola é deficitária e precisa ser reformada por um currículo nacional por ser incapaz de fazer o impossível: produzir hoje sujeitos para um futuro imprevisível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Hugo Heleno Camilo Costa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Professor pela mesma instituição.

Érika Virgílio Rodrigues da Cunha, Universidade Federal de Rondonópolis, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Professora da Universidade Federal de Rondonópolis 

Maria José Vilela Rodrigues, Universidade Federal de Rondonópolis, Brasil.

Graduada em Pedagogia e em Letras pela Universidade Federal de Mato Grosso e professora efetiva da Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação do Brasil. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: SEB/MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em: 04 jan. 2023.

COSTA, Hugo H. C. O povo disciplinar de Geografia e a tradução na política de currículo. 2013. 140 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

COSTA, Hugo H. C. Políticas de currículo para formação de professores. Revista Espaço do Currículo, v. 16, p. 1-11, 2023. DOI: https://doi.org/10.15687/rec.v16i1.66177

COSTA, Hugo H. C. “Seríamos a política que criticamos?”: a interlocução do povo da Geografia na produção da BNCC. Revista Brasileira de Educação em Geografia, v. 10, n. 19, p. 125-152, 2020. DOI: https://doi.org/10.46789/edugeo.v10i19.913. DOI: https://doi.org/10.46789/edugeo.v10i19.913

COSTA, Hugo H. C.; CUNHA, Érika V. R. da. Normatividade, Desconstrução e Justiça: para além do dever ser na Base Nacional Comum da Formação de Professores. Currículo sem Fronteiras, [s. l.], v. 21, n. 3, p. 1246-1265, 2021. DOI: https://doi.org/10.35786/1645-1384.v21.n3.15

COSTA, Hugo H. C.; LOPES, Alice C. Sobre a subjetividade/alteridade: conversas com Derrida e Laclau nas políticas de currículo. In: TURA, Maria de Lourdes Rangel; GARCIA, Maria Manuela Alves (org.). Currículo, políticas e ação docente. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

CUNHA, Érika V. R. da. Sobre e sob a normatividade curricular: a autobiografia e o sujeito relacional. In: LOPES, R. de A- ; RIBEIRO, W. de G. (Orgs.). Utopia e normatividade curricular: abordagens pós-estruturalistas – Curitiba: CRV, 2021.

CUNHA, Érika V. R.; COSTA, Hugo H. C. ; BORGES, Verônica. Desconstrução, alteridade e tradução: percursos investigativos nas políticas de currículo. In: LOPES, A. C. ; SISCAR, M. (Orgs.). Pensando a política com Derrida – responsabilidade, tradução, porvir - Cortez Editora, São Paulo, 2018.

DERRIDA, Jacques. Margens da filosofia. Campinas: Papirus, 1991.

DERRIDA, Jacques. Torres de Babel. Tradução de Junia Barreto. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

GERALDI, João Wanderley. O ensino de língua portuguesa - e a Base Nacional Comum Curricular. Retratos da Escola. v. 9, n. 17, 2015. Disponível em: https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/587. Acesso em: 12 dez. 2023.

GERALDI, João Wanderley. A produção dos diferentes letramentos. Bakhtiniana - Revista de Estudos do Discurso. v. 9, n. 2, p. 25-34, 2014. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/19443. Acesso em: 12 dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S2176-45732014000200003

GRUPO NOVA LONDRES. Uma Pedagogia dos Multiletramentos: Projetando Futuros Sociais. Tradução de Deise Nancy de Morais, Gabriela Claudino Grande, Rafaela Salemme Bolsarin Biazotti, Roziane Keila Grando. Revista Linguagem em Foco, v. 13, n. 2, 2021. p. 101-145. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/5578. Acesso em: 06 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.46230/2674-8266-13-5578

LACLAU, Ernesto. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemony and socialist strategy: towards a radical democratic. 2ª ed. Verso: London and New York. 2001.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. Tradução da 2ª edição inglesa. São Paulo: Intermeios, 2015.

LIMA, Ana; PINHEIRO, Regina. Os multiletramentos nas aulas de língua portuguesa no Ensino Médio. Linguagem & Ensino. Pelotas. v.18, n.2, p. 327-354, jul./dez. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br › article › download. Acesso em 18. 2023.

LOPES, Alice Casimiro. ; MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez. 2011.

LOPES, Alice C. Teorias pós-críticas, política e currículo. Educação, Sociedade & Culturas, [S. l.], n. 39, p. 7–23, 2013. DOI: 10.34626/esc.vi39.311. Disponível em: https://ojs.up.pt/index.php/esc-ciie/article/view/311. Acesso em: 26 nov. 2023.

LOPES, Alice C. Por um currículo sem fundamentos. Linhas críticas, v. 21, n. 45, maio-ago., p. 445-466, Universidade de Brasília, Brasil, 2015. DOI: https://doi.org/10.26512/lc.v21i45.4581

LOPES, Alice C. Itinerários formativos na BNCC do Ensino Médio: identificações docentes e projetos de vida juvenis. Retratos da Escola, [S. l.], v. 13, n. 25, p. 59–75, 2019. DOI: 10.22420/rde.v13i25.963. Disponível em: https://retratosdaescola.emnuvens.com.br /rde/article/view/963. Acesso em: 10 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v13i25.963

PARAÍSO, Marlucy A. Pesquisas pós-críticas em educação no Brasil: esboço de um mapa. Cadernos de pesquisa, v. 34, p. 283-303, maio/ago., 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742004000200002

MENDONÇA, Daniel de. A noção de antagonismo na ciência política contemporânea: uma análise a partir da perspectiva da teoria do discurso. Revista de Sociologia e Política, [S.l.], n. 20, jun. 2003. ISSN 1678-9873. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/rsp/article/view/3637. Acesso em: 02 ago. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-44782003000100011

PESSOA, Carlos. Hegemonia em tempos de globalização. In: MENDONÇA, Daniel de; RODRIGUES, Léo Peixoto (org.). Pós-estruturalismo e teoria do discurso: em torno de Ernesto Laclau. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 151-61, 2014.

ROJO, Roxane; MOURA, Eduardo. (org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola, 2011.

ROJO, Roxane. Apresentação: Protótipos didáticos para os multiletramentos. In: ROJO, R. H. R.; MOURA, E. (org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012a. p. 7-11.

ROJO, Roxane. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagem na escola. In: ROJO, R. H. R.; MOURA, E. (Org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012b. p. 11-32.

ROJO, Roxane H. Novos Multiletramentos e protótipos de ensino: por um web-currículo. In: CORDEIRO, G. S.; BARROS, E. M. D. de; GONÇALVES, A. V. (org.). Letramentos, objetos e instrumentos de ensino: gêneros textuais, sequências e gestos didáticos. Campinas, SP: Pontes Editores, 2017a.

ROJO, Roxane. Entre plataformas, ODAs e protótipos: Novos multiletramentos em tempos de WEB2. The ESPecialist, [S. l.], v. 38, n. 1, 2017b. DOI: 10.23925/2318-7115.2017v38i1a2. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/esp/article/view/32219. Acesso em: 18 jan. 2024. DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2017v38i1a2

SOARES, Magda. Letramento – um tema em três gêneros. [S. l.]: Autêntica, 2009.

Downloads

Publicado

30-04-2024

Como Citar

COSTA, H. H. C.; CUNHA, Érika V. R. da; RODRIGUES, M. J. V. . POLÍTICAS DE CURRÍCULO PARA LÍNGUA PORTUGUESA: novos e multiletramentos para sujeitos impossíveis. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 17, n. 1, p. e69702 , 2024. DOI: 10.15687/rec.v17i1.69702. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/69702. Acesso em: 18 jul. 2024.