SOBRE A POTÊNCIA DAS PRATICASPOLÍTICAS CURRICULARES E DE FORMAÇÕES DOCENTES TECIDAS COM OS COTIDIANOS ESCOLARES

Autores

  • Danielle Piontkovsky IFES - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo http://orcid.org/0000-0003-0824-5275
  • Maria Regina Lopes Gomes Universidade Vila Velha (UVV)

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v9i2.29918

Resumo

As pesquisas em pauta problematizam as redes tecidas por educadores/as e estudantes entre os currículos e as formações de professores/as praticados nos cotidianos das escolas com o objetivo de trazer elementos que ampliem as discussões acerca das praticaspolíticas educacionais que associam esses campos discursivos utilizando, para tanto, alguns desdobramentos das pesquisas que temos realizado com os cotidianos (FERRAÇO, 2003) de escolas públicas municipais de Ensino Fundamental e de escolas federais de Ensino Médio. Colocam em destaque alguns desdobramentos dessas redes como um modo de problematização das tentativas de controle dos saberesfazeres docentes-discentes, que se constituem nas multiplicidades e singularidades dos cotidianos. Argumentam sobre a força dessas tessituras em redes como movimentos e experiências singulares que esgarçam as políticas oficiais de currículo e de formação que, muitas vezes, reduzem, desqualificam e desconsideram as invenções e as criações curriculares dos/as educadores/as e estudantes pelos seus efeitos de homogeneização, generalização e padronização. Assumem a ideia de que esses movimentos e fluxos que inventam currículos e formações de professores/as acontecem em espaçostempos de cruzamento de fronteiras e sentidos, permitindo lutar a favor de políticas educacionais que indicam a potência, a força e a vontade de fazer dos praticantes (CERTEAU, 1994), apesar de tantos fatores desanimadores ainda presentes nos dias atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Danielle Piontkovsky, IFES - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo

Doutora em Educação (UFES), Professora de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), Membro do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Currículos, Culturas e Cotidianos (Nupec3), E-mail: danielle@ifes.edu.br, Lattes: http://lattes.cnpq.br/4709365241426340.

Maria Regina Lopes Gomes, Universidade Vila Velha (UVV)

Doutora em Educação (UFES), Professora da Universidade Vila Velha (UVV), membro do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Currículos, Culturas e Cotidianos (Nupec3), E-mail: regilogo@hotmail.com, Lattes: http://lattes.cnpq.br/6101587075710848.

Referências

ALVES, Nilda. Artefatos tecnológicos relacionados à imagem e ao som na expressão da cultura de afro‐brasileiros e seu “uso” em processos curriculares de formação de professoras na Educação Superior: o caso do curso de Pedagogia da UERJ/Campus Maracanã. Projeto incorporado ao PROCIÊNCIA, agosto de 2005.

______. (org.). Criar currículo no cotidiano. SP: Cortez, 2002.

______. Decifrando o pergaminho. In: OLIVEIRA, I. B. de; ALVES, N. (Org.). Pesquisa no/do cotidiano das escolas. RJ: DP&A, 2001.

_____. Redes educativas ‘dentrofora’ das escolas exemplificadas pela formação de professores. In: DALBEN, Â.; DINIZ, J.; LEAL, L.;SANTOS, L. (orgs.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

_____.; GARCIA, Regina Leite. Atravessando fronteiras e descobrindo (mais uma vez) a complexidade do mundo. In: ALVES, Nilda; GARCIA, Regina Leite (Org.). O sentido da escola. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2004. p. 81-110.

______.; OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Imagens de escolas: espaçostempos de diferenças no cotidiano. Educação & Sociedade. Campinas: CEDES, vol. 25, n. 86, 2004.

AZEVEDO, Joanir Gomes de. Itinerâncias da pesquisa. In: GARCIA, Regina Leite (org.). Método: pesquisa com o cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 3 ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. BH: UFMG, 1998.

CERTEAU, Michel de. A cultura no plural. Campinas, SP: Papirus, 1995.

______. A invenção do cotidiano: 1: artes de fazer. RJ: Vozes, 1994.

______. A invenção do cotidiano: 2. morar, cozinhar. RJ: Vozes, 1996.

CORAZZA, Sandra M. O que se transcria em educação? 1 ed. Porto Alegre: Editora UFRGS; Doisa, 2013.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs – Capitalismo e esquizofrenia, vol. 1; Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

FERRAÇO, Carlos Eduardo (Org.). Currículo e educação básica: por entre redes de conhecimentos, imagens, narrativas, experiências e devires. Rio de Janeiro: Rovelle, 2011.

______. Currículo, formação continuada de professores e cotidiano escolar: fragmentos de complexidade das redes vividas. In: FERRAÇO, C. E. (org.). Cotidiano escolar, formação de professores (as) e currículo. SP: Cortez, 2005.

_____. Educação-clichê e a necessidade de rasgar sombrinhas... Ou sobre violências cotidianas e a necessidade de furar os clichês. In: GARCIA, Regina Leite; ESTEBAN, Maria Teresa; SERPA, Andréa (org.). Saberes cotidianos em diálogo. Petrópolis, RJ: De Petrus; Rio de Janeiro: FAPERJ, 2015.

_____. Eu, caçador de mim. In: GARCIA, R. L. Método: pesquisa com o cotidiano. RJ: DP&A, 2003.

______. Os sujeitos das escolas e a complexidade de seus saberesfazeres: fragmentos das redes tecidas em pesquisas com o cotidiano. In: GARCIA, R. L.; ZACCUR, E. (orgs.). Cotidiano e diferentes saberes. RJ: DP&A, 2006.

______. Os sujeitos praticantes dos cotidianos das escolas e a invenção dos currículos. In: MOREIRA, A. F. B.; PACHECO, J. A.; GARCIA, R. L. (orgs.). Currículo: pensar, sentir e diferir. RJ: DP&A, 2004.

GIARD, Luce. História de uma pesquisa. In: CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

LINHARES, Célia Frazão. Escola Balaia: um convite ao debate para reinvenção de Caxias. Caxias/MA: Caburé, 1999.

LINHARES, Célia Frazão; NUNES, Clarice. Trajetórias de magistério: memórias e lutas pela reinvenção da escola pública. Rio de Janeiro: Quartet, 2000.

MACEDO, Elizabeth; FRANGELLA, Rita de Cássia Prazeres. Apresentação - Políticas de Currículo ou Base Nacional Comum: debates e tensões. Educação em Revista. Belo Horizonte, vol. 32, n. 02, p. 01-17, Abril-Junho 2016.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Cotidiano e cultura: história, cidade e trabalho. Bauru, SP: EDUSC, 2002.

MATURANA, Humberto. Cognição, ciência e vida cotidiana. BH: Ed. UFMG, 2001.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2007.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Currículos Praticados: entre a regulação e a emancipação. RJ: DP&A, 2003.

_____. O campo de estudos do cotidiano e sua contribuição para a pesquisa em educação. In: SCHWARTZ, C. M.; et al. (orgs.). Desafios da Educação Básica: a pesquisa em educação. Vitória: EDUFES, 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. SP: Cortez, 1995.

SGARBI, Paulo. Depois de aceitar o convite, fiquei esperando um “causo”. In: AZEVEDO, J. G. de; ALVES, N. G. (orgs.). Formação de professores: possibilidades do imprevisível. RJ: DP&A, 2004.

Downloads

Publicado

17-09-2016

Como Citar

PIONTKOVSKY, D.; GOMES, M. R. L. SOBRE A POTÊNCIA DAS PRATICASPOLÍTICAS CURRICULARES E DE FORMAÇÕES DOCENTES TECIDAS COM OS COTIDIANOS ESCOLARES. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 9, n. 2, 2016. DOI: 10.15687/rec.v9i2.29918. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/29918. Acesso em: 19 maio. 2024.