AFRICANIDADES EM TRANSCRIAÇÕES INFANTIS

práticas curriculares e avaliativas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v14i3.61590

Palavras-chave:

Africanidades, Transcriações infantis, Currículo, Avaliação, Educação Infantil

Resumo

Busca ampliar sentidos de docências com crianças, em transcriações infantis, a respeito da beleza da africanidade, da importância dos negros na história do Brasil e dos modos de re-existir e reencantar o mundo. O campo problemático se constitui ao destacar o incômodo vivido por crianças negras ao desenhar, pensar e narrar sobre si, sobre sua cor de pele, tipo de cabelo e pela dor sentida pela discriminação. Apresenta experiências educativas e registros elaborados junto a um grupo de crianças entre 5 a 6 anos de uma instituição da autarquia federal de ensino no ano de 2019. Mobiliza a metodologia de pesquisa-intervenção pautada na cartografia e redes de conversações como procedimento para problematizar os diálogos entre as crianças, professoras, famílias e estudantes de Cursos de Licenciatura. Realiza conexões com a noção de currículos em redes de conhecimentos, de transcriações infantis e de avaliação como prática cartográfica de registros cotidianos. Como resultados, posiciona-se quanto ao papel social e colaborativo da escola e da universidade, ao assumir a contribuição de práticas curriculares e avaliativas de processos e de registros, que confiram visibilidade às dimensões conceituais, procedimentais, estéticas, éticas, atitudinais e políticas, que contribuam para romper com lógicas excludentes, com o racismo estrutural, com a supressão das diferenças e com a redução das existências desde a infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kezia Rodrigues Nunes, Universidade Federal do Espírito Santo, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo e Professora da Universidade Federal do Espírito Santo.

Larissa Ferreira Rodrigues Gomes, Universidade Federal do Espírito Santo, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo e Professora da Universidade Federal do Espírito Santo.

Referências

ALVES, N.; OLIVEIRA, I. B. Imagens de escolas: espaços tempos de diferenças no cotidiano. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 86, p. 17-36, abr. 2004.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394/96. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 8 nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil/Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, 2010. Disponível em: http://ndi.ufsc.br/files/2012/02/Diretrizes-Curriculares-para-a-E-I.pdf. Acesso em: 10 jan. 2019.

CARVALHO, J. M. O cotidiano escolar como comunidade de afetos. Petrópolis: Dp et Alii, 2009.

CORAZZA, S. M. et al. Didática da tradução: transcriações do currículo no projeto Escrileituras. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 24, n. 56 p. 317-331, maio/ago. 2015.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: 34, 1995. v.1.

GOODSON, I. Currículo: teoria e história. Petrópolis: Editora Vozes, 1995.

FERRAÇO, C. E. Currículos em redes e pesquisas com os cotidianos e...Movimentos, repetições e diferença na imanência de uma vida. Editora CRV, 2020.

FERRAÇO, C. E. A pesquisa em educação no/do/com o cotidiano das escolas. In: FERRAÇO, C. E.; PEREZ, C. L. V.; OLIVEIRA, I. B. (org.). Aprendizagens cotidianas com a pesquisa: novas reflexões em pesquisa nos/dos/com os cotidianos. Petrópolis: DP et Alii, 2008. p. 23-34.

GOMES, L. F. R.; ZOUAIN, A. C. S.; NUNES, K. R. Se não se sabe de antemão como alguém vai aprender, como avaliar na educação infantil? Revista Espaço do Currículo (on-line), João Pessoa, v. 12, n. 2, p. 339-351, maio/ago. 2019.

RANGEL, I.S.; MORAES, F. M. in: GOMES, L. F. R. Africanidades em transcriações infantis. Serra: Formar, 2019, v.65. p.70

KASTRUP, V. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. Revista Psicologia e Sociedade, Belo Horizonte, v. 1, n. 19, p. 15-22, jan./abr. 2007.

KOHAN, W. Infância: entre educação e filosofia. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

LOPES, A. C. Teorias pós-críticas, política e currículo. Educação, Sociedade & Culturas, Porto, n. 39, p. 7-23. 2013.

MULLER, A.; NEIRA, M. G. Avaliação e registro no currículo cultural da educação física. Estudos em Avaliação Educacional., São Paulo, v. 29, n. 72, p. 774-800, set./dez. 2018.

NUNES, K. R.; FERRAÇO, C.E. Formação em redes de composições curriculares com crianças: encontros filosóficos. Rev. FAEEBA – Ed. e Contemp., Salvador, v. 27, n. 51, p. 145-159, jan./abr. 2018.

NUNES, K. R.; FERRAÇO, C.E. Atenção, concentração! Sobre a regulação de prescrições nacionais e a ampliação de sentidos de currículos com crianças. Revista Espaço do Currículo (online), João Pessoa, v.10, n.3, p. 410-428, set./Dez. 2017.

NUNES, K. R. Currículos com crianças em creches: potencializando linguagens e ampliando sentidos de avaliação. 2019. Relatório (Pós-Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

NUNES, K. R; NEIRA, M.G. Currículo e avaliação discente na educação infantil: prática cartográfica dos registros cotidianos. Revista currículo sem fronteiras, v. 21, n. 1, jan./abr 2021a.

NUNES, K. R. NEIRA, M.G. Currículo e avaliação discente na educação infantil: uso de instrumentos na pesquisa e na prática pedagógica. In: FERRAÇO, C. E.; SOUZA, L. R. (Org.) ; SILVA, T. M. (Org.) . Currículos em redes, composições temáticas e movimentos de resistência com os cotidianos das escolas públicas - TOMO II. 1. ed. Curitiba/PR: CRV Editora, 2021b. v. 1. 324.

RIBEIRO, M. N.; NUNES, K. R.; RANGEL, I. S. Currículo e avaliação: sentidos produzidos entre o espaço doméstico e o educacional. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO: Para onde vai a didática? O enfrentamento às abordagens teóricas e desafios políticos da atualidade. 19., UFBA, Anais [...]. Bahia, 2018.

SACRISTÁN, José Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: ArtMed, 2000

SANTOS, B. S. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 1995.

SANTOS, B. S. Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitanismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SANTOS, W.; PAULA, S.; STIEG, R. Avaliações institucionais e de sistemas na formação de professores em educação física na América Latina. Revista Espaço Pedagógico, Passo Fundo, v. 26, n. 1, p. 99-116, jan./abr. 2019.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3.ed.;8.reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

Downloads

Publicado

22-12-2021

Como Citar

NUNES, K. R.; GOMES, L. F. R. . AFRICANIDADES EM TRANSCRIAÇÕES INFANTIS: práticas curriculares e avaliativas. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 3, p. 1–15, 2021. DOI: 10.15687/rec.v14i3.61590. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/61590. Acesso em: 8 jun. 2023.