SOBRE POLÍTICAS EM CURRÍCULO E RESISTÊNCIAS E INVENÇÕES E COTIDIANOS ESCOLARES E DESAFIOS E... “VAI TER LUTA!”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v10i3.37764

Palavras-chave:

Educação., Currículo., Políticas Educacionais.

Resumo

A convite dos editores da Revista Espaço do Currículo iniciamos, a partir de julho de 2016, um movimento que tem como principal objetivo dar visibilidade e, ao mesmo tempo, estimular trocas e potencializar estudos e pesquisas que questionam as visões tradicionais de currículo, reduzindo-o a listagens de conteúdos e metodologias ou de habilidades e competências que, a cada época, se atualizam e encontram terreno fértil em discursos empresariais, religiosos e, inclusive, acadêmicos, como temos presenciado com a atual proposta de uma Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Hoje em dezembro de 2017, sob o impacto de sua aprovação por um Conselho Nacional de Educação (CNE) muito diferente daquele com o qual dialogávamos em 2015, continuamos defendendo que não podemos abrir mão de lutar contra os efeitos perversos que as políticas pós-golpe (SOUZA, 2016) vem provocando na área educacional, sobretudo nos cotidianos das escolas públicas. Assim, consideramos de fundamental importância retomar, nesta apresentação, algumas das principais razões pelas quais temos nos posicionamos contra a ideia de se ter uma base curricular comum para as escolas brasileiras, que tem como uma de suas marcas mais nefastas a unificação dos conteúdos, com base no suposto tratamento igual dos diferentes

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Ferraço, Universidade Federal do Espirito Santo, Brasil.

Doutor em Educação na Linha de Pesquisa Cultura, currículo e formação de educadores. Professor associado da Ufes, atuando nos Cursos de Mestrado. 

Maria Luiza Süssekind, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Professora Adjunto da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Marco Antonio Oliva Gomes, Universidade Federal do Espírito Santo, Brasil.

Doutor em Curso de Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo e Professor Titular da Universidade Vila Velha.

Referências

ALVES, Nilda. Redes educativas ‘dentrofora’ das escolas, exemplificadas pela formação de professores. In: DALBEN, Ângela; DINIZ, Júlio; LEAL, Leiva; SANTOS; Lucíola (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 49-66.

ALVES et al. (Org.). Criar currículo no cotidiano. São Paulo: Cortez, 2002.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano 1: as artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

PINAR, W. F.“A equivocada educação do público nos Estados Unidos”, In: GARCIA, R. L. e MOREIRA, A. F. B. (orgs). Currículo na Contemporaneidade: incertezas e desafios. São Paulo: Cortez, 2008.

PINAR, W. F. What is curriculum theory? [O que é teoria do currículo?] New Jersey: Lawrence Erlbaum, 2012.

PRICE, T. A.. Comum para quem?. Revista E-curriculum, PucSP, v. 12, n. 3 p. 1614-1633, dez. 2014.

SOUZA, J. A radiografia do golpe: entenda como e porque você foi enganado. Rio de Janeiro: Le Ya, 2016.

SÜSSEKIND, M. L.. O ineditismo dos estudos nosdoscom os cotidianos: currículos e formação de professores, relatos e conversas em uma escola pública no Rio de Janeiro, Brasil. E-curriculum, São Paulo, v. 8, n. 2, p.2-21, ago. 2012.

SÜSSEKIND, M. L. As (im)possibilidades de uma Base Comum Nacional. Revista e-Curriculum (PUCSP), v. 13, p. 1-0000, 2014.

VEIGA-NETO, Alfredo. A didática e as experiências de sala de aula: uma visão pós estruturalista. Educação & Realidade. Porto Alegre: Faculdade de Educação/UFRGS, v.21, n.2, p.161-175, Jul/Dez, 1996.

Downloads

Publicado

31-12-2017

Como Citar

FERRAÇO, C. E.; SÜSSEKIND, M. L.; GOMES, M. A. O. SOBRE POLÍTICAS EM CURRÍCULO E RESISTÊNCIAS E INVENÇÕES E COTIDIANOS ESCOLARES E DESAFIOS E... “VAI TER LUTA!”. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 356–365, 2017. DOI: 10.15687/rec.v10i3.37764. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/37764. Acesso em: 20 jun. 2024.