REDES POLÍTICAS QUE INFLUENCIARAM A ELABORAÇÃO DA BNCC PARA O ENSINO MÉDIO

naturalização da filantropia e mercantilização do ensino público

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.57809

Palavras-chave:

Políticas educacionais, BNCC, Ensino Médio, Formação inicial de professores, Filantropia

Resumo

Este artigo tem o objetivo de investigar como as redes políticas influenciaram a elaboração, a aprovação e a atuação da BNCC para o Ensino Médio. A abordagem metodológica escolhida foi a qualitativa de cunho exploratório, e o método utilizado foi o estudo de caso (YIN, 2010). Os achados da pesquisa foram organizados considerando-se os dois primeiros contextos do ‘ciclo de políticas’ proposto por Stephen Ball (1994ª) e a técnica de análise de discurso crítico de Fairclough (2016). Considerando os resultados das análises, compreendemos que os contextos de elaboração, aprovação e efetivação da BNCC do Ensino Médio foram permeados por discursos neoliberais com forte apelo filantrópico e mercadológico, provenientes das agências nacionais e internacionais que utilizam mecanismos para manter sua atuação, como seminários e congressos anuais, em que se discute sobre as ações para a educação do país e as direcionam. Como consequência, depois de aprovada a BNCC, outras políticas estão sendo elaboradas com o intuito de direcionar a Formação Inicial e continuada de professores para a Educação Básica e os Projetos Pedagógicos dos cursos de licenciatura, cuja orientação é para considerar, a priori, as determinações dos documentos que vincularam diretamente a formação docente às exigências políticas neoliberais da BNCC, promovendo, inevitavelmente, uma concepção neotecnicista e empresarial no sistema de ensino público.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Anne Karoline Cantalice Sena, Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Graduanda em Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Federal da Paraíba e Membro do Grupo de Pesquisa Currículo e Práticas Educativas (GPCPE).

Angela Cristina Alves Albino, Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Campina Grande, Professora da Universidade Federal da Paraíba e vice coordenadora do GEPPC - Grupo de Estudos em Políticas e Práticas Curriculares.

Ana Cláudia da Silva Rodrigues, Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Paraíba, Professora da Universidade Federal da Paraíba e Vice-líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Curriculares.

Referências

BALL, S. Education Reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994.

BALL, S. J. Educação global S. A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. 23 e.d., Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014.

BAUER, Martin W.; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 22 jun. 2020.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 95, de 16 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2016a.

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação. Considerações da CNTE sobre o Projeto de Base Nacional Comum Curricular, elaborado preliminarmente pelo MEC. Dossiê: Base Nacional Comum: projetos curriculares em disputa. Retratos da Escola, Brasília, v. 9, p. 411-420, jul./dez. 2015.

CORRÊA, A.; MORGADO, J. C. A construção da Base Nacional Comum Curricular no Brasil: tensões e desafios. Trabalho apresentado no Colóquio Luso-brasileiro de Educação – COLBEDUCA, IV Colbeduca, Portugal, v. 3, p. 24-25 jan. 2018. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/colbeduca/article/view/12979/8307. Acesso em: 05 março, 2020.

DOURADO, L. F.; OLIVEIRA, J. F. A qualidade da educação: perspectivas e desafios. Cad. CEDES, Campinas, v. 29, n. 78, Aug. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101- 32622009000200004&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 12 fevereiro, 2021.

FRANCO, L. G.; MUNFORD, D. Reflexões sobre a BNCC: um olhar da área de ciências da natureza. Horizontes, Itatiba, v. 36, p. 158-171, janeiro. 2018.

GIFE PELO IMPACTO DO INVESTIMENTO SOCIAL. Fundação Lemann anuncia parceria para investimento em educação no Brasil, 2017. Disponível em: <https://gife.org.br/fundacao-lemann-anuncia-parceria-para-investimento-em-educacao-no-brasil/>. Acesso em: 12 junho, 2020.

GIFE PELO IMPACTO DO INVESTIMENTO SOCIAL. Fundação Lemann cria centro de estudos dedicado à educação brasileira, 2011. Disponível em: <https://gife.org.br/fundacao-lemann-cria-centro-de-estudos-dedicado-a-educacao-brasileira/>. Acesso em: 12 junho, 2020.

GRIMM, V.; SOSSAI, F. C.; SEGABINAZZI, M. GLOBALIZAÇÃO, REDES POLÍTICAS E NEOLIBERALISMO: as contribuições de Stephen Ball para pensar sobre políticas educacionais na atualidade. Práxis Educativa, Brasil, vol. 11, núm. 3, p. 850-854, set./dez., 2016. Disponível em: <https://www.redalyc.org/pdf/894/89446960018.pdf>. Acesso em: 04 maio, 2020.

INSTITUTO Ayrton Senna. BNCC: Construindo um currículo de educação integral, 2019. Disponível em: <https://institutoayrtonsenna.org.br/pt-br/BNCC/o-que-e-BNCC.html#:~:text=A%20Base%20Nacional%20Comum%20Curricular,pleno%20%20de%20todos%20os%20estudantes>. Acesso em: 22 maio, 2020.

LOPES, C. A.; MACEDO, E. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LÜDKE, M., ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E.P.U., 1986.

MAINARDES, J. ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006.

NEIRA, M. G.; ALVIANO J., W.; ALMEIDA, D. F. de. A PRIMEIRA E A SEGUNDA VERSÕES DA BNCC: construção, intenções e condicionantes. EccoS Revista Científica, São Paulo, n. 41, p. 31-44, set./dez. 2016.

NOSSA HISTÓRIA. Instituto Ayrton Senna, 2019. Disponível em: <https://institutoayrtonsenna.org.br/pt-br/quem-somos.html#historia>. Acesso em: junho, 2020.

PECK, J.; TICKELL, A. Neoliberalizing space. Antipode, v. 34, n.3, p.380-404, 2002.

PERONI, V. M. V. CAETANO, M. R. O público e o privado na educação: projetos e disputa. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 337-352, jul./dez. 2015.

ROCHA, N. F. E. BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR E MICROPOLÍTICA: ANALISANDO OS FIOS CONDUTORES. 2016. 190 F. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, Centro de Educação, João Pessoa/PB, 2016. Disponível em: <https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/tede/8786/2/arquivototal.pdf>. Acesso em: dezembro, 2019.

RODRIGUES, A. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e a Formação Inicial de Professores: análise do Curso de Pedagogia do CCHSA/UFPB a partir do Ciclo de Política de Stephen Ball. 2020. 150 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal da Paraíba, Centro de Educação, João Pessoa/PB, 2020.

RODRIGUES, A. C.; HONORATO, R. F. S. Redes de política de educação integral da Paraíba: fluxos e influências neoconservadoras e neoliberais. Roteiro, Joaçaba, v. 45, p. 1-32, jan./dez. 2020.

SAVIANI, D. Política educacional no Brasil após a ditadura militar. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v.18, n.2, p.291-304, abr/jun, 2018.

SENA, A. K. C; RODRIGUES, A. C. S. Políticas Curriculares para a Educação Básica: a Base Nacional Comum Curricular e a Reorganização dos Projetos Pedagógicos dos Cursos de Licenciatura da UFPB. In: Encontro de Iniciação Científica. João Pessoa, 2019.

SPRING, J. Como as corporações globais querem usar as escolas para moldar o homem para o mercado. Tradução de Ana Júlia Galvan - Campinas, SP: Vide Editorial, 2018.

TARLAU, R. MOELLER, K. O CONSENSO PELA FILANTROPIA: como uma fundação privada estabeleceu a BNCC no Brasil. Currículo sem Fronteiras, v.20, n.2, p.553-603, maio/ago.

TEIXEIRA, R. F. B.; LEÃO, G. M. C.; DOMINGUES, H. P.; ROLIN, E. C. Concepções de intinerários formativos a partir da Resolução CNE/CEB Nº 06/2012 e da lei nº 13.415/2017. Trabalho apresentado no XIII Congresso Nacional de Educação – EDUCERE, Paraná, p. 16027-16038, 2017. Disponível em: <https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/27280_14159.pdf>. Acesso em: junho, 2020.

YIN, R.K. ESTUDO DE CASO: planejamento e métodos. Tradução Ana Thorell. 4. Ed. Porto Alegre: Bookamn, 2010.

Downloads

Publicado

2021-03-24

Como Citar

SENA, A. K. C.; ALBINO, A. C. A. .; RODRIGUES, A. C. da S. REDES POLÍTICAS QUE INFLUENCIARAM A ELABORAÇÃO DA BNCC PARA O ENSINO MÉDIO: naturalização da filantropia e mercantilização do ensino público. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 1–15, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n1.57809. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/57809. Acesso em: 13 maio. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)