POLÍTICAS CURRICULARES E EJA

a luta pela significação de gênero no contexto da prática docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.33465

Palavras-chave:

Políticas Curriculares, Currículo, Gênero, EJA

Resumo

Este artigo discorre sobre os resultados de uma pesquisa realizada no curso de especialização Latu Senso em Gênero e Diversidade na Escola (GDE) na Universidade Federal da Paraíba, sob responsabilidade do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Ação sobre Mulher e suas Relações de Sexo e Gênero. A pesquisa objetivou analisar como as relações de gênero estão expressas no currículo dos Centros Estaduais de Educação de Jovens e Adultos (CEJAs) da Cidade de João Pessoa/PB e por alunos/as e docentes do 3º segmento da EJA. No desenvolvimento dessa análise, serão utilizados os argumentos do Ciclo de Políticas, com base nos estudos de Stephen Ball, Bower e Gold (1992) e Ball (1994), através dos estudos de Mainardes (2006; 2015) e Lopes (2011). Metodologicamente desenvolveram-se análises por uma perspectiva qualitativa, com viés etnográfico. Para isso utilizamos observação participante, notas de campo e documentos como coleta de dados. Percebemos que existe um processo de recontextualização das formas que as políticas curriculares estão (des) construindo as relações de gênero na EJA. Fenômeno que ocorre no contexto da prática, através das interpretações e posicionamentos críticos evidenciados nas atitudes dos/as docentes e alunos/as da escola campo.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rafael Ferreira de Souza Honorato, Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Doutorando e Mestre em Educação pela Universidade Federal da Paraíba.

Tarcísio Duarte da Costa, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba, Brasil.

Mestre em Educação pela Universidade Federal da Paraiba.

Maria Zuleide da Costa Pereira, Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba e professora associada IV da Universidade Federal da Paraíba. 

Referências

BOWE, R.; BALL, S. J. with GOLD, A. Reformingeducation&changingschools: case studies in PolicySociology. London: Routledge, 1992.

BALL, S. J. Educationreform: a criticaland post structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 1, de 5 de julho de 2000, que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação e Jovens e Adultos. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/eja/legislacao/parecer_11_2000.pdf. Acesso em: 22 Abr. de 2015.

______. Documento nacional preparatório à VI Conferência Internacional de Educação de Adultos (VI CONFINTEA). Brasília: MEC; Goiânia: FUNAPE/UFG, 2009. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=10024&Itemid=>. Acesso em 2 de Abr. de 2015

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. – 9. ed. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014.

CARVALHO, M. E. P. O que a história tem a ver com as relações de gênero? Problematizando o gênero no currículo e na formação docente. In: CARVALHO, M. E. P; PEREIRA, M. Z. C. (Orgs). GÊNERO E EDUCAÇÃO: múltiplas faces. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2003. p. 55-76.

HADDAD, S.; DI PIERRO, Mª Clara. Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, nº 14, mai/ago, 2000. p. 108-194.

LOPES, Alice Casimiro e MACEDO, Elizabeth. Contribuições de Stephen Ball para o estudo de Políticas de Currículo. In: Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

MAINARDES, J.. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação & Sociedade. Campinas, vol. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006.

__________.; STREMEL, S. Informações sobre a abordagem do ciclo de políticas. 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 de Set.de 2015.

OLIVEIRA, A.; MATHEUS, D.; LOPES, A. C.. Políticas de currículo: a luta pela significação no contexto da prática. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo; GRABRIEL, Carmem Teresa e AMORIM, Antonio Carlos. Políticas de currículo e escola. Campinas, SP: FE/UNICAMP, 2011, p. 119-133.

OLIVEIRA, I. B.; TEIXEIRA, B. P.; CAMPOS, M. S. N.. Narrativas como prática emancipatória: pesquisando e repensando os currículos praticados na EJA. In: PAIVA, Jane. PINHEIRO, Rosa A. Da pesquisa em educação à pesquisa na EJA: ações plurais, sentidos singulares. Natal, RN: EDUFRN, 2011, p. 17-37.

________. PAIVA, J. (Orgs.). Educação de jovens e adultos. Rio de Janeiro: DPet alii, 2009.

PAIVA, J. Os sentidos do direito à educação de jovens e adultos. Petrópolis: RJ/FAPERJ, 2009.

PARAÍBA. Portaria nº 1.115, de 20 de novembro de 2014. Baixa instruções complementares para gestão de pessoal relativas ao ano letivo 2015 e dá outras providências. João Pessoa: Secretaria de Estado de Educação, 2014. Disponível em: http://static.paraiba.pb.gov.br/2013/12/Diretrizes-Operacionais-SEE-PB-2015.pdf. Acesso em: 25 de Fev.de 2015.

PEREIRA, M. Z. C. Currículo, discurso e discursos. In: MACEDO, Elizabeth; MACEDO, Roberto Sidnei; AMORIM, Antônio Carlos. (Org.). Discurso, texto, narrativa nas pesquisas em currículo. Campinas - SP: FE/UNICAMP, 2009, v. p. 114-123.

PROJETO político pedagógico. João Pessoa: [s.n.], 2015.

VALE, E. C.; OLIVEIRA, I. B. A ressignificação da EJA, o currículo e a centralidade da cultura: da educação popular aos processos de escolarização. In: I Congresso Internacional da Cátedra UNESCO de Educação de Jovens e Adultos. João Pessoa, 2010.

Downloads

Publicado

2018-12-31

Como Citar

HONORATO, R. F. de S.; COSTA, T. D. da; PEREIRA, M. Z. da C. POLÍTICAS CURRICULARES E EJA: a luta pela significação de gênero no contexto da prática docente. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 3, n. 11, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2018v3n11.33465. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/ufpb.1983-1579.2018v3n11.33465. Acesso em: 7 dez. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>