ATUAÇÃO DA UNDIME NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

analisando articulações

Autores

  • Jorge Luis Umbelino Sousa Universidade Federal da Paraíba, Brasil.
  • Maria Zuleide da Costa Pereira Universidade Federal da Paraíba, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-8980-9302

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2019v12n2.39412

Palavras-chave:

políticas curriculares., gestão educacional., base nacional comum curricular.

Resumo

O texto é construído tomando como referência algumas inquietações que nos desestabilizam no percurso de pesquisadores no campo do currículo e, mais precisamente, no campo das políticas curriculares. A busca por entender, com base no aporte teórico que dialogamos, a política como processo de significação e de representação, leva-nos a nos distanciar de análises políticas que se ancoram na centralização do poder e na ideia de hegemonia à luz dos consensos. Para além dessa perspectiva, ancoramos nossa análise em matriz pós-estrutural para conceber os atores políticos como criadores de significados na política, os quais estão em permanente processo de articulação discursiva e em cenários de hegemonias provisórias e contingenciais. Objetivamos analisar os discursos da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME) sobre a Base Nacional Comum Curricular e sobre o papel do município na “implementação” dessa política. A Base Nacional Comum Curricular, como uma política de currículo, desdobra-se em diferentes discursos, os quais tendem a produzir significantes que servem de pontos nodais, tais como qualidade da educação e direito à educação. Apontamos, por meio de um diálogo teórico fecundo e do apoio na Teoria do Discurso, a produção de estratégias discursivas que se tornam híbridas na busca por um currículo nacional.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jorge Luis Umbelino Sousa, Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Mestre em Educação na linha de Políticas Educacionais do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFPB). Especialista em Gestão da Educação Municipal (MEC/SEB/UFPB).

Maria Zuleide da Costa Pereira, Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba e Professora Titular da Universidade Federal da Paraíba.

Referências

AVELAR, Marina. Entrevista com Stephen J. Ball: Uma Análise de sua Contribuição para a Pesquisa em Política Educacional. In: Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 24, n. 24, 2016.

AZEVEDO, Noroaldo Pontes de. A UNDIME e os desafios da educação municipal. In: Estudos avançados, v. 15, n. 42, 2001.

BALL, Stephen J. Education Reform: a critical post-structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994.

______________. La micropolítica de La escuela: hacia una teoría de la organización escolar. Madrid. Paidós-MEC, 1989.

______________.; JUNEMANN, Carolina. Networks, new governance and education. Bristol: The Policy Press.

______________; MAGUIRE, Mag; BRAUN, Annet. How schools do Policy? Policy enactments in secondary school. New York: Routledge, 2012.

BORDIGNON, Genuíno e GRACINDO, Regina Vinhaes. Gestão da educação: o município e a escola. IN: FERREIRA, N. S. e AGUIAR, M. A. (Orgs.). Gestão da Educação: impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, 2001.

BOWE, Richard; BALL, Stephen; GOLD, Anne. Reforming education & changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – Educação é a base. Versão final. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em 09 de janeiro de 2018>.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Pradime: Programa de Apoio aos Dirigentes Municipais de Educação. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2006.

BRASIL. Plano Nacional de Educação – PNE 2014-2024 (Lei nº 13.005/2014). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm>. Acesso em 09 de janeiro de 2018.

LACLAU, Ernesto. Nuevas reflexiones sobre la revolucion de nuestro tiempo. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 2000.

LACLAU; Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e Estratégia Socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios, 2015.

LÜCK, Heloísa. Gestão Educacional: uma questão paradigmática. 4. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: a falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. In: Educação em Revista, v. 32, n. 02, abril-junho, 2016.

__________________. Por uma leitura topológica das políticas curriculares. In: Archivos analíticos de políticas educativas, v.24, n.26, Fevereiro, 2016.

MODER, Max. Reflexões de apoio para o desenvolvimento curricular no Brasil: guia para gestores educacionais. Brasília: UNDIME, 2017.

PEREIRA, Maria Zuleide da Costa. A centralidade da pluralidade cultural nos debates contemporâneos no campo do currículo. In: Revista Currículo sem Fronteiras, v.9, n.2, PP.169-184, jul/Dez, 2009.

SOUSA, Jorge Luis Umbelino de. Currículo e projetos de formação: Base Nacional Comum Curricular e seus desejos de performance. In: Revista Espaço do Currículo, v.8, n.3, p. 323-334, Setembro a Dezembro de 2015.

UNDIME. Orientações ao dirigente municipal de educação: fundamentos, políticas e práticas. São Paulo: Fundação Santillana, 2012.

Downloads

Publicado

2019-05-26

Como Citar

SOUSA, J. L. U.; PEREIRA, M. Z. da C. ATUAÇÃO DA UNDIME NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR: analisando articulações. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 352–363, 2019. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2019v12n2.39412. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/ufpb.1983-1579.2019v12n2.39412. Acesso em: 18 jan. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>