PARTE DIVERSIFICADA DOS CURRÍCULOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA: que política é essa?

Autores

  • Jorge Luis Umbelino Sousa Universidade Federal da Paraíba
  • Maria Zuleide da Costa Pereira Universidade Federal da Paraíba http://orcid.org/0000-0002-8980-9302

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v9i3.29915

Resumo

O artigo aponta que a Parte Diversificada (PD), prescrita na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB, Lei nº 9.394/1996), constitui-se em uma política de currículo, ressignificando-se em diferentes processos de luta política pelo currículo desde a década de 1990 aos dias atuais. Inicialmente analisamos as políticas de currículo no terreno da cultura para podermos problematizar a Parte Diversificada dos currículos da educação básica como sendo espaço para se pensar a diferença cultural no contexto da prática. Para além desse caminho, discutimos como os sujeitos enunciam uma parte diversificada dos currículos, por meio de uma análise de instrumentos normativos e textos políticos. Valemos, nesta análise, das perspectivas teórico-analíticas em politicas educacionais de Stephen Ball, bem como dialogamos com categorias culturais de Homi Bhabha. Dessa forma, procuramos defender que a Parte Diversificada se caracteriza como um discurso político com muitas ambivalências existentes, tendo em vista sua significação atrelada a uma Base Nacional Comum, a qual se fundamenta na defesa de um currículo homogêneo com a produção de uma identidade nacional, desfavorecendo a negociação da diferença cultural.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jorge Luis Umbelino Sousa, Universidade Federal da Paraíba

Mestrando em Educação (Linha de Pesquisa em Políticas Educacionais/PPGE/UFPB). Possui Licenciatura Plena em Letras, c

Maria Zuleide da Costa Pereira, Universidade Federal da Paraíba

Possui graduação em Licenciatura Em Educação Física pela Universidade Estadual de Londrina (1976), graduação em Licenciatura Em Pedagogia pela Universidade Federal da Paraíba (1990), mestrado em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (1995) e doutorado em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba (2001). Pós- doutorado em Educação na UERJ (2008) Atualmente é professora associada IV da Universidade Federal da Paraíba. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Políticas Educacionais, Políticas de currículo e suas interconexões com cultura, gênero, etc.

Referências

AVELAR, Marina. Entrevista com Stephen J. Ball: Uma análise de sua contribuição para a pesquisa em política educacional. Archivos Analíticos de Políticas Educacionais, vol. 24, nº 24, Argentina, 2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2004.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 12/04/2015.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. 3. ed. Brasília: 2001.

______. Resolução CNE/CEB nº 4, de 10 de junho de 2010. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília: 2013.

______. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o plano nacional de educação – PNE e dá outras providências. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2014/lei-13005-25-junho-2014-778970-publicacaooriginal-144468-pl.html>. Acesso em: 12/04/2015.

______. Base Nacional Comum Curricular- Texto preliminar. Brasília: MEC/SEB, 2015.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e estratégia socialista. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2015.

MACEDO, Elizabeth. Currículo como espaço-tempo de fronteira cultural. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 32, maio./ago. 2006.

______. Diferença cultural e conhecimento acumulados: conversas a partir da multieducação. In: PEREIRA, Maria Zuleide da Costa; MOURA, Arlete Pereira. (Org.). Políticas e práticas curriculares: impasses, tendências e perspectivas. João Pessoa: Ideia, 2005.

______. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista e-curriculum, São Paulo, v. 12. N. 03, p.1530-1555, out/dez. 2014.

MAINARDES, Jefferson. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Revista Educação e Sociedade, Campinas, vol. 27, n. 94, p. 47-69, jan-zbr. 2006.

PEREIRA, Maria Zuleide da Costa. A centralidade da pluralidade cultural nos debates contemporâneos no campo do currículo. Currículo sem Fronteiras, v.9, n.2, pp.169-184, Jul/Dez 2009.

PERONI, Vera. Política educacional e papel do Estado: no Brasil dos anos 1990. São Paulo: Xamã, 2003.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

SOARES, Maria da Conceição Silva; FRANGELLA, Rita de Cássia. Micro e macropolíticas de currículo, (des) construção de identidades e produção de diferenças: múltiplas perspectivas de abordagem. Currículo sem fronteiras, v. 15, n. 3, p. 567-574, set./dez. 2015.

SOUSA, Jorge Luis Umbelino. Currículo e projetos de formação: Base Nacional Comum Curricular e seus desejos de performance. Revista Espaço do Currículo, João Pessoa, vol. 8, n. 3, p. 323-334, Setembro a Dezembro de 2015.

Downloads

Publicado

2016-12-28

Como Citar

SOUSA, J. L. U.; PEREIRA, M. Z. da C. PARTE DIVERSIFICADA DOS CURRÍCULOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA: que política é essa?. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 9, n. 3, 2016. DOI: 10.15687/rec.v9i3.29915. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/rec.v9i3.29915. Acesso em: 18 jan. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>