Biblioterapia e literatura oral:

Leituras terapêuticas em espaços de informação, educação e cultura

  • Meri Nadia Marques Gerlin Universidade Federal do Espírito Santo

Resumo

O sujeito leitor estabelece uma relação terapêutica com a informação contida em livros e outros suportes textuais, sonoros e imagéticos, dialogando com personagens por meio das estruturas narrativas dos contos, das crônicas e de outros gêneros que constituem a literatura oral. Nesse sentido, torna-se possível colocar em análise a contribuição da literatura oral para o desenvolvimento da biblioterapia, ao considerar a importância do uso dos gêneros narrativos em momentos de leituras terapêuticas individuais e/ou coletivas. Por meio de uma pesquisa exploratória caracterizada como bibliográfica, apresenta-se um levantamento de publicações científicas produzidas no campo da Ciência da Informação e áreas afins, refletindo sobre temas que dialogam com a narrativa oral e com uma terapia desenvolvida não apenas em hospitais e clínicas, mas também em bibliotecas, comunidades, escolas, dentre outros espaços de informação, educação e cultura. Apesar da importância que é dada ao uso do gênero literário oral em processos terapêuticos, a limitação do aprofundamento de publicações sobre esse assunto é identificada.

Biografia do Autor

Meri Nadia Marques Gerlin, Universidade Federal do Espírito Santo
Docente do Departamento de Biblioteconomia e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação do Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Educação e bacharel em Biblioteconomia pela UFES.

Referências

CASCUDO, Luís da Câmara. Literatura Oral no Brasil. São Paulo: Global, 2006.

CASTRO, Rachel Barbosa; PINHEIRO, Edna Gomes. Biblioterapia para idosos: o que fica e o que significa. Biblionline, v. 1, n. 2, 2005.

FONSECA, Karla Haydê Santos. A leitura dos clássicos, uma possibilidade biblioterapêutica: por um viver melhor. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, v. 19, n. 1, p. 6-12, 2014.

LUCAS, Elaine Rosangela de Oliveira; CALDIN, Clarice Fortkamp; SILVA, Patricia V. Pinheiro. Biblioterapia para crianças em idade pré-escolar: estudo de caso. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 11, n. 3, 2006.

GERLIN, Meri Nadia Marques. Tecendo redes e contando histórias: competências em informação e narrativa na contemporaneidade. Brasília: Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília, 2018.

GRASSELLI, Leticia Aurora de Almeida; GERLIN, Meri Nadia Marques. Aproximações entre a Biblioterapia e o Teatro Clow: uma reflexão sobre a atuação do bibliotecário no ambiente hospitalar. Revista Conhecimento em Ação, Rio de janeiro, v. 2, n. 1, jan./jun. 2017.

NASCIMENTO, Geovana Mascarenhas; ROSEMBERG, Dulcinea Sarmento. A biblioterapia no tratamento de enfermos hospitalizados. Informação & Informação, [S.l.], v. 12, n. 1, p. 80-92, jul. 2007.

NOVAES, Maria Stella de. Lendas capixabas. São Paulo: FTD, 1968

OUAKNIN, Marc-Alain. Biblioterapia. São Paulo: Loyola, 1996.

SILVEIRA, Maria Inez Matoso. Análise de gênero textual: concepção sócio-retórica. Maceió: EDUFAL, 2005.

SOUSA, C.; CALDIN, C. F. Contos de fadas também é coisa de gente grande: aplicabilidade terapêutica de histórias infantis para adultos. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, v. 22, n. 3, p. 548-563, 2017.

VICENTINI, Luis Atílio et al. O papel da biblioteca universitária no incentivo à leitura e promoção da cidadania. Biblios Perú, v. 8, n. 27, p. 1-10, 2007.

Publicado
2020-04-29
Seção
ARTIGOS DE REVISÃO